Naked Crisis

He can see through clothing!

Nus somos todos mais parecidos uns com os outros. Nua, a nossa emproada e antipática vizinha de casa passaria a ter um ar bastante mais abordável. Nu, o nosso gestor de conta até pareceria um ser humano. Creio que nus, os nossos políticos, perderiam a capacidade de mentir. Todos nus e talvez esta crise económica fosse mais fácil de suportar.

From “Naked People”

Clothing is our second skin. It disguises, reveals- it can reflect our innermost being or conceal it. Through one’s clothing, he or she is able to exhibit his or her profession, social status, or mood. A suit lets us assume the bearer is a banker, office worker, insurance agent… In our society this is a distinguishing characteristic of respectability. But, how often is such an assumption true? Can we absolutely trust this covering? What really is underneath? Could the illusion be destroyed at the discovery of a tattoo, or leave the person as inscrutable as before?

Go see.

Sobre Vasco Grilo

Quando era rapazola dei demasiadas cabeçadas com a minha pobre caixa de osso. Hoje, como deliciosa consequência, encontro a minha razão intermitente como uma rede WI-FI, sem fios nem contrato fixo. Por vezes suspeito que a minha alma seja a de um velho tirano sexista e sanguinário, prisioneiro no corpo perfumado e bem-falante de um jovem republicano. Mas talvez eu seja só é um bocado sonso. A cidade para onde me mudei no final do século passado chama-se Aerotrópolis. Daqui partem todas as estradas e para aqui todas elas confluem. Em seu redor e para minha sorte, está um mundo que é grande e ainda muito comestível. Creio que a verdadeira felicidade possa causar uma certa tristeza. E por isso e só por isso, aqui, escreverei.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

5 respostas a Naked Crisis

  1. Teresa Conceição diz:

    Vasco,
    Exercício muito interessante. Belo ponto de partida e experiência.
    Quanto à facilidade em suportar a crise com a nudez de políticos, não sei se não passaria a usar óculos opacos.

  2. António Eça de Queiroz diz:

    Muito de acordo, mas ia ser cá um briol!…

  3. Rita V diz:

    gostei imenso deste seu texto
    e da galeria do veste/despe em anexo
    however despir não é o mesmo que despojar
    e isso era mesmo do que estávamos a precisar

  4. Manuel S. Fonseca diz:

    Vasco, bom texto – mas não são sempre os teus?!
    Só que a teoria do Naked People está muito bem para um rapaz garboso como tu, ainda com uma pele nívea. O problema é quando, como diz um amigo meu de infância, nós já começamos a ser inegavelmente muito mais bonitos vestidos do que nus. Que a humanidade seja poupada a tão tenebrosa visão!

  5. O Eco de Umberto diz:

    Não sei não. Vestidinhas as barrigas ficam muito mais democráticas.

Os comentários estão fechados.