Para si

 

Um tic-tac de bate-bate coração, agora que nasceu agora mesmo. Não tem, ai!, não tem a paleta de Renoir, como a querida EeT. Mas voa longe. Vai mesmo onde nunca foi. 

É presente-pluma em dia de nascimento. A ser manejado com cuidado: pode explodir, sem hora marcada, em cucurrucucus de penas.

Pomba-relógio, por Teresa Conceição

(Cuidado com os danos colaterais. Ninguém se deixe enganar pelo ar kitsh cândido delicodoce de paloma aguarelada. Uma pomba é uma pomba é uma bomba. Faz sempre porcaria).

 

Sobre Teresa Conceição

Ainda estou a aprender esta terra de hieróglifos. Tenho na mala livros e remoinhos, mapas e cavalos guerreiros, lupas e lápis de cor: lentos decifradores. Sou nativa de Vadiar, terra-a-terra. Escrever? Ainda não descobri onde fica. Mas parto com bússola e farnel (desconfio que levo excesso de bagagem).
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

9 respostas a Para si

  1. Rita V diz:

    T
    é linda a sua aguarela
    … e a Pomba/Bomba
    🙂

  2. António Eça de Queiroz diz:

    Uma pomba-relógio! Ainda bem que não estamos em Kandahar… (já tinha saudades dos seus desenhos!)

    • teresa conceição diz:

      António,
      olhe que as pombas não rebentam só no Afeganistão. Há algumas praças tailandesas que já foram atacadas, templos na Índia é a toda a hora e até há notícias de um monumento muito particular de Santa Comba Dão que não ficou em bom estado.
      Há outros locais mais prováveis de explosão e que nenhuma pomba que se preze desdenha: sobre qualquer casaco ou debaixo de qualquer céu.

  3. Manuel S. Fonseca diz:

    Ó tanta pena pombinha do coração.

  4. teresa conceição diz:

    Eugénia,

    este postalinho tem banda sonora. Deve ser observado à noite, bem rodeado e a escutar com atenção:

  5. Carlos Paulo Barata Simões diz:

    Pum! Bum!

  6. maria araújo lima diz:

    Que desenho tão bonito no parapeito da janela quando ainda é Verão e as pombas mansas.

Os comentários estão fechados.