A poesia também se cheira?

Para os narizes do Porto ou de Lisboa. Para fadistas ou futebolistas, para todos os artistas. Para o pessoal das redacções e directores de dignas instituições. Para editores, autores e seus tradutores. Para ministros e dignitários dos distritos. Para a oposição e para a coligação, veteranos e aprendizes: este é um post para todos os narizes.

Narizes que cheiram, narizes que aspiram, narizes que nunca espirram, narizes que em branco respiram.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

15 respostas a A poesia também se cheira?

  1. António Eça de Queiroz diz:

    Consta que quando Pizarro rebentou com os Incas, espoliando-os do ouro e destruindo-lhes as plantações de coca – a folha sagrada – terá sido lançada sobre o ‘homem branco’ uma maldição mais ou menos nestes termos: «A coca, que ajuda e protege o povo Inca, irá destruir o homem branco».
    Curiosamente, acho que tenho uma estrelinha que me protege de certas coisas: nunca gostei particularmente de cocaína (nem de heroína, embora esta última seja mais insidiosa). A coca deixa-me nevrótico e, ao contrário da grande propaganda, incapacita-me sexualmente.
    Mas este poema é verdadeiro, é o que se passa por todo o mundo.

    • manuel s. fonseca diz:

      Diria António, que por causa da troika agora só para troca: e temos o país todo à coca.

    • Dobra diz:

      Oh António, tem a certeza que a substância ilícita é incapacitante? Histórias se ouvem de absoluto contrário 🙂

      • António Eça de Queiroz diz:

        Dobra, das (poucas!) experiê3ncias em que tal me foi solicitado, olhe, foi uma vergonha!…

  2. manuel s. fonseca diz:

    já vi, já, andou a fazer linhas: uma party line com as amigas e ainda por cima desviaram a inocente Escrever.

  3. Rita V diz:

    também não sou queixinhas, mas lá que nos divertimos … à UFA …. ai isso divertimo-nos!

  4. Ruy Vasconcelos diz:

    mas tá virando um publicitário. com alguém assim para ‘slogans’, portugal só fica de baixo astral se quiser.

    • manuel s. fonseca diz:

      Ruy, Ruy, não faça piada com os pobres! E agora me lembro, não havia um poema seu, de Alfama coisa e tal, para publicação neste blog? Onde é que anda?

  5. Diogo Leote diz:

    Para poesia cheirada ou coca poética como estas, eu quero ser um agarrado.

  6. manuel s. fonseca diz:

    Assim haja nariz, Diogo!

  7. Teresa Veloso diz:

Os comentários estão fechados.