Confio em ti

Confio em ti! Mas o que há na entrega radical que a declaração proclama que não seja apenas a dúvida na confiança em mim?
Confio em ti! Como se, transbordando de soberania, me permitisse transferir para ti um excedente com que te ajudo e fortaleço.
Confio em ti! Mas ao dizer-to não estarei já a expor a minha patética fragilidade? E, humilhado, a chantagear a liberdade do teu exercício de poder?
Digo: confio em ti! Talvez, afinal, quisesse dizer: tem pena de mim!

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

5 respostas a Confio em ti

  1. Manuel S. Fonseca diz:

    Sabe, apeteceu-me começar num sorriso e acabar num esgar. Estou quase sempre a fazer o contrário. Mas é 2012, um novo território, admirável mundo novo…

  2. É a liberdade com que nos acorrentamos , numa intensidade proporcional ao tom do silêncio com que expressamos a dita confiança!
    Gosto de ser surpreendida assim, com prosa desafiante e provocadora. Desconfio que vou passar a seguir este blog com mais atenção!
    Que 2011 seja um caderno a cheirar a novo cheio de folhas em branco para preencher. Um beijinho Manel

  3. Manuel S. Fonseca diz:

    Bem vinda Rute. Espero que voltes mais, muitas vezes. Com comentários vivos como este.Um beijinho para 2012.

  4. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Confiar sem qualquer dúvida só “as bestas e os Deuses” parafraseando Aristoteles…mas não é confiando que ganhamos pequenas nesgas na nossa própria confiança que se batem contra grandes fragilidades? Haverá um outro caminho?

  5. Rita V diz:

    No despe, veste, dança … confia-se de olhos fechados

Os comentários estão fechados.