Dar

Dar Vida by riVta

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

13 respostas a Dar

  1. teresa conceição diz:

    Sorte a nossa ver nascer assim a vida que a sua caneta cria.
    Sem barriga grande nem nove meses de espera nem nada, caem umas gotas e pronto, e aí está, prontinha para dar início à corrida de obstáculos. Linda dádiva, Rita.

  2. Rita V diz:

    muito me rio com estas tristezas

  3. G.Rocha diz:

    Dar… durante a vida, o nosso precioso tempo, e não dar em nada….. será que vale a pena dar?!?! apesar de tudo, acho que se deve continuar a dar… a vida é isso: dar e receber, ou coisas boas ou más, mas é um tal ciclo que não dá para quebrar =)

    Escusado será dizer que os seus desenhos são magnificos, simples, directos!

  4. manuel s. fonseca diz:

    Este, Rita, gota a gota, fica já como um dos meus favoritos

  5. Ana Rita Seabra diz:

    Dar, sem estar à espera de receber. Aprendemos com o tempo…
    Lindo!

  6. Rita V diz:

    😛

  7. paulo,sj diz:

    Rita, se me permite, deixo-lhe o meu agradecimento a esta “dádiva”:

    Pulsar, latejante.
    Silencioso fluir de tinta vital,
    de palavras, desenhos construidos
    ao som do salto prestes a dar.

    Deixo de estar isoladamente em ti,
    estando publicamente em nós.

    E eles não nos podem parar,
    seguem-nos os passos, outras marcas…
    …de Vida!

    Um Abraço! 🙂

Os comentários estão fechados.