Good Vibrations

Precisamos todos de mais Gerhard Richter.

Sobre Pedro Marta Santos

Queria mesmo era ser o Rui Costa. Ou sonâmbulo profissional. Se não escrever, desapareço – é o que me paga as contas desde 1991 (são 20 anos de carreira, o disco está a sair). Há momentos em que gosto mais de filmes do que de pessoas, o que seria trágico se não fosse cómico – mas passa-me depressa. Também gosto dos olhos da Anna Calvi. E das bifanas do Vítor. Aprecio um brinde: “À confusão dos nossos inimigos”. Não tenho nenhuns, só uma ternura infinita pelo azul das árvores e o amarelo do mar. E peço: digam-me mentiras.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

10 respostas a Good Vibrations

  1. António Eça de Queiroz diz:

    Sim, e (para mim) particularmente o 1º e o 4º

  2. Pedro Bidarra diz:

    Dão fome. De verão de calor e de boa disposição

  3. teresa conceição diz:

    Boa. Traga mais, Pedro. São uma respiração.

  4. manuel s. fonseca diz:

    Posso ficar com o último?

  5. baernardo Vaz Pinto diz:

    Good Goood Good Vibrations…à falta dos originais talvez arranje uma daquelas cópias na internet…

  6. Pedro Marta Santos diz:

    Ó Ana, e eu a fingir que tinha descoberto o rapaz só por mim… obrigado. Vou pedir à Alex para combinar contigo. É sempre um prazer – e uma honra – receber-te aqui.

  7. POÉTICO… AO OLHAR PELA SENTIMENTAL EXECUÇÃO PLÁSTICA.
    BOAS VIBRAÇÕES TRANSMITIDAS E CONJUGADAS AO ESPAÇO ANTES PÁLIDO.

Os comentários estão fechados.