Le Portugal de Pedrosa

Cyril Pedrosa é um autor-desenhador francês, neto de portugueses, cujo avô emigrou para França em 1936. O alter-ego de Pedrosa, Simon Muchat, viaja para Portugal após 20 anos de ausência, e reconstrói as memórias de infância, descobrindo o seu país afectivo. Muito elogiado em França, lançado pela Dupuis (colecção “Aire Libre”) e à venda no izneo, um site especializado em BD, “Portugal” parece valer a pena (será hoje o único Portugal que vale a pena?). Experimentem.

Sobre Pedro Marta Santos

Queria mesmo era ser o Rui Costa. Ou sonâmbulo profissional. Se não escrever, desapareço – é o que me paga as contas desde 1991 (são 20 anos de carreira, o disco está a sair). Há momentos em que gosto mais de filmes do que de pessoas, o que seria trágico se não fosse cómico – mas passa-me depressa. Também gosto dos olhos da Anna Calvi. E das bifanas do Vítor. Aprecio um brinde: “À confusão dos nossos inimigos”. Não tenho nenhuns, só uma ternura infinita pelo azul das árvores e o amarelo do mar. E peço: digam-me mentiras.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

4 respostas a Le Portugal de Pedrosa

  1. Diogo Leote diz:

    Então e ninguém edita isto cá em Portugal? Será que já nos querem fazer apagar o passado do Portugal que valia sempre a pena, que é o que está bem guardado na memória das nossas infâncias?

  2. teresa conceição diz:

    Bela descoberta, Pedro.

  3. manuel s. fonseca diz:

    Pedro, aqui de longe parece bem, mas tenho de ir ver ao papel: com os dedos.

  4. Pedro Norton diz:

    é o que se chama ver Portugal aos quadradinhos. Fiquei com uma vontade danada.

Os comentários estão fechados.