O cinema e os heterónimos

Estavam sentados à mesa do café. Ouvi. Sem querer, mas ouvi. Tomei nota e agora conto tudo.

“Ó Fernando, com tanta angústia patriótica a saltar-lhe da mão esquerda para a direita, você nem a bica consegue tomar.”

Foi o que o engenheiro disse, fazendo rir a mesa heteronímica a que se sentam. São três: Pessoa, Ricardo Reis e Álvaro de Campos. Mortos, descontraídos e invisíveis para os turistas de inverno da Brasileira.

Pessoa lamentou-se: “Sabe, engenheiro, é a mágoa de um presente infeliz. Somos o pingo de tinta seca de quem escreveu Impérios na geografia do mundo.”

Reis mal o deixou acabar: “Lá vem você com o Quinto Império. Basta-nos o mito ou, para que as actuais gerações compreendam, um milagre como no cinema. Ainda ontem voltei a ver, de mão dada com a Lídia, o “It’s a Wonderful Life” do Capra.”

“Nem Portugal é o Jimmy Stewart, nem a Senhora Merkel tem a bonomia do anjo Clarence,” riu-se o desbocado Campos.

Pessoa interrompeu-o: “Bem dito, engenheiro. Onde anda o português que, com a universalidade das Descobertas, salvou a Europa de ser só mediterrânica? Voltou o português à antiga – bom católico, toureiro, estúpido como uma porta de cofre-forte.”

Campos insiste: “Como não está cá o Mestre Caeiro para se zangar comigo e já que o Dr. Reis gosta de filmes, diria que nos falta um optimismo fordiano.”

Logo Pessoa: “O Álvaro confunde optimismo com o que em Ford é só pura crença e europeia. Porque Ford era artisticamente europeu e universal. O cinema dele era uma poesia ajudada: reflecte nos filmes o que a alma não tem.”

Reis interrompe-os: “Pois a Portugal até o direito a ser europeu escapa. Somos só serventuários da França e lacaios da Alemanha.”

O engenheiro abana a cabeça: “Quando fazemos uma revolução é para implantar uma coisa igual à que já estava. Veja o Passos Coelho, parecia tão liberal e indisciplinador? Já está a cair na disciplina por uma fatalidade ancestral.”

Pessoa dá um salto na cadeira: “Álvaro, não está a sugerir que os portugueses se ponham a ver “O Couraçado de Potemkin” ou o “Ivan o Terrível?”

Álvaro ofende-se: “Todo o artista que dá à sua arte um fim extra-artístico é um infame. Encontre-me antes, no cinema, um criador de anarquias.”

Reis afasta o cálice de absinto: “Um Syberberg, um Herzog? Cuidado com o cinema alemão. Olhem a Merkel: uma asceta. Como é perigoso o asceta que se casa com o poder e se amanceba com a vontade de domínio.”

Pessoa concorda: “A Alemanha é na paz o que sempre foi na guerra: uma organização cruel. O sacro império romano é o que cada Alemanha ocultamente quer ser.”

Campos volta à carga:”Prefiro o cinema que seja uma mentira artística, o americano. Intruja? Mas um país sem grandes intrujões é um país perdido. Quem não intruja não come. A grande civilização é a superior organização da artificialidade, isto é, da intrujice.”

Levantam-se, exuberantes, e saem sem pagar a conta.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

11 respostas a O cinema e os heterónimos

  1. Vasco Grilo diz:

    Fiquei aqui a pensar numa banda sonora para este diálogo mas não me ocorre nada…
    Isto porque no texto toca já uma virtuosa orquestra de câmara, claro!
    Ab

    • Manuel S. Fonseca diz:

      Vasco, já me obrigaste a imaginar um furioso Álvaro de Campos ao piano, o Fernandinho ao violino e o Reis no contrabaixo. Mas que trio.

  2. Manuel S. Fonseca diz:

    O Kafka? Assim, de encomenda? Mas já viu a trabalheira que isso dá? Era preciso chamar o senhor Welles que só viaja em primeira classe… Ajuda-me a reunir os meios para isso?

  3. ah! cheira-me a truque
    entretidos com as palavras, ninguém reparou que saíam sem pagar

  4. Paula Ferreira diz:

    Manuel, você é como o Pessoa, quando escreve visita-se solenemente. E visita-nos!

    • manuel s. fonseca diz:

      As frases são mesmo do Pessoa e dos heterónimos, embora usadas com grande liberdade e alguma desfaçatez. O resto já são risonhas invenções suas…

  5. António Eça de Queiroz diz:

    Ali ninguém era moscovita, como diria o engenheiro…
    Óptima transmigração, Manuel!

  6. Bernardo Vaz Pinto diz:

    A nossa história na história de Pessoa, na história do cinema…A universalidade do grande poeta tão bem encenada aqui.

    • manuel s. fonseca diz:

      Bernardo, tentei seguir o modelo das bonecas russas que se encaixam umas nas outras..

Os comentários estão fechados.