Andávamos todos enganados

Afinal, nunca soubemos verdadeiramente de onde vêm os bebés.

Já agora, também nunca soubemos qual o verdadeiro significado de amor ao trabalho. E a fidelidade talvez tivesse hoje outro adjectivo que não canina. Tivessemos nós sabido. Felizmente há máquinas de filmar bem colocadas e em condições de devolver o seu a seu dono.

Em condições também de nos fazer perceber porque é que depois de meses de céu limpo a curva demográfica portuguesa está em fase descendente.

 

Sobre Teresa Conceição

Ainda estou a aprender esta terra de hieróglifos. Tenho na mala livros e remoinhos, mapas e cavalos guerreiros, lupas e lápis de cor: lentos decifradores. Sou nativa de Vadiar, terra-a-terra. Escrever? Ainda não descobri onde fica. Mas parto com bússola e farnel (desconfio que levo excesso de bagagem).
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

4 respostas a Andávamos todos enganados

  1. Rita V diz:

    ah! o que tem de ser tem muita força …
    🙂

  2. manuel s. fonseca diz:

    Ia quase chorando com a cegonha a que só saem duques. Livra!

  3. Bernardo Vaz Pinto diz:

    É uma história de cegonhas ou a nossa própria história???Comovente, dura e cómica…

Os comentários estão fechados.