Dois lindos versos chegam para uma vida

Há canções que podem apressar o fim de semana. São canções que chamam o sábado, a noite, mesmo a tarde de domingo. Vinicius escreveu a canção que Caetano interpreta certinho, perfeito, com voz de água silente.

Mas se queremos que o fim de semana seja o sítio onde o “sono adormece e ansiados corações desaparecem”, tem de ser a canção servida nesta voz de água rouca e oculta. Pode não ser tão bem cantada, mas mergulha-nos no abismo de seios de que até Fernando Pessoa diria: “that’s my life, verse by verse”. Dois tão lindos versos chegam para fazer uma vida

 

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Dois lindos versos chegam para uma vida

  1. Luciana diz:

    Sabia – claro que sim – que os seios ocultos, ops, a a voz de água rouca e oculta, é neta da letra certinha que saía do querer do Vinícius?

    • Manuel S. Fonseca diz:

      Oi Luciana, sabia, pois. E julgo que a cena é tiradinha de um filme: um biopic de Vinicius, não?

      • Luciana diz:

        Sim, é uma delícia assistir, tem depoimentos interessantes, o Chico Buarque contando situações engraçadas, uma beleza. Entre os vários intérpretes tem um instrumentista, Yamandu Costa, vale muito ouvi-lo.

  2. Então, bom fim-de-semana, Manuel Fonseca.

  3. ~CC~ diz:

    Compreendo-o, não estranhará que eu prefira o Caetano 🙂
    Bom fim de semana
    ~CC~

  4. Ana Rita Seabra diz:

    Vinicius, Caetano e esta voz rouca e sexy. Manuel, fico arrepiada só de ouvir e o meu fim de semana ficou ainda mais radioso que o sol que está brilhando lá fora.
    Música maravilhosa!!!

    • manuel s. fonseca diz:

      Olhe que bom, Ana Rita. E é verdade, quase que temos um sol igual ao do país de Vinicius. Quer dizer…

  5. Ruy Vasconcelos diz:

    não lhe conto, bom manuel, mas tempos atrás uns acadêmicos ligados ao politicamente correto andaram implicando com essa letra do vinícius. supostamente por tratar a mulher como objeto (coisa). a coisa foi tão estúpida que não se fala mais do assunto. a polêmica virou silêncio. de onde, aliás, não devia ter saído. há bons momentos neste doc sobre o poetinha.

  6. manuel s. fonseca diz:

    Diria, face à coisa, que me prontifico ao sofrimento da objectificação…

Os comentários estão fechados.