Entendam-se porra!

Keith Richards, velho amigo, bluesman branco mais preto de Dartford, confessou-me um dia, à lareira, que snifou as cinzas do pai. Eu estou cada vez mais convencido que, na Europa, andamos a snifar as cinzas dos nossos filhos.

Sobre Pedro Norton

Já vos confessei em tempos que tive a mais feliz de todas as infâncias. E se me disserem que isso não tem nada a ver com tristeza eu digo-vos que estão muito, mas muito, enganados. Sou forrado a nostalgia. Com umas camadas de mau feitio e uma queda para a neurose, concedo. Gosto de mortos, de saudades, de músicas que nunca foram gravadas, de livros desaparecidos e de filmes que poderiam ter sido. E de um bom silêncio de pai para filho. Não me chamem é simpático. Afino.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

4 respostas a Entendam-se porra!

  1. manuel s. fonseca diz:

    Ó Pedro, é o único superavit que temos: cinzas!

  2. Que imagem terrível.
    Espero mesmo que se entendam, para ver se este mundo se torna habitável e as pessoas mais livres e vivas, ou devo dizer: mais humanas?

  3. António Eça de Queiroz diz:

    Não quero ser desmancha-prazeres mas cheira-me que já não há entendimento possível, há muita tensão concentrada no mesmo sítio, em situação de ‘pronto’…

  4. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Foi por isso que Richard e os seus campangas exilaram-se musicalmente na América…quem sabe já aí se pressentia que por estes lados as coisas não iam sair da cepa torta…

Os comentários estão fechados.