O trabalho de uma mulher nunca acaba

Ó meus tão queridos Tristes, é verdade que foi tudo muito feliz: a visita e a prenda da Ana, o texto da Eugénia. Ora, que eu saiba, só a Eugénia é que foi lá para paraísos sem rede. (E, coisa de meninas, já estou com saudades dela). Mas as meninas e meninos tristes têm uma casa para alindar. Quero-vos já de volta ao trabalho.

Sobre Escrever é Triste

O nome, tiraram-mo de Drummond. Acompanho com um improvável bando de Tristes. Conheço-os bem e a eles me confio. Se me disserem, “feche os olhos”, fecharei os olhos. Se me disserem, “despe-te”, dispo-me.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

3 respostas a O trabalho de uma mulher nunca acaba

  1. Manuel S. Fonseca diz:

    Tia, pagem msf ao serviço!!!

  2. teresa conceição diz:

    Titi, aia tc a tentar não desmerecer…

  3. Rita V diz:

    é para já Tci-Tchia
    🙂

Os comentários estão fechados.