Todas as cartas de amor são ridículas?

Então e que dizer das fotos? As dos parzinhos ao pôr-do-sol. As dos coraçõezinhos ao pôr-da-mão. As dos corpos em contraluz. As do copo encontra lua…  Pois nada temais. Cá me encontro para cumprir a melhor tradição rústico-romântica: no dia em que a titi Escrever faz dois mesinhos, dois. E nós com ela. Merecemos brinde, pois merecemos?                         

Prepare-se a paisagem ridícula de tão exdrúxula. Acento na sílaba sol, tónica em vulcão, gin com limão. Nós, sós. (Só os doze e a titi ao centro. A orquestra de 400 executantes, ali no anfiteatro, fica fora de campo; já agora, o bronzeado garoto de Ipanema mais para o lado, se faz favor, os luso-descorados pedem decoro. As meninas decoram com galhardia este lado do painel e a cantoria com o coro para mais tarde).

O poente é que não colabora, teima em ir antes de a câmara estar a postos. Não é com vinagre que se apanham ocasos. Mas… e se ocasionalmente for com vinho branco? Ou champagne  para o director da chaise longue lá ao fundo, sim senhor, é para já. Cada um com o seu, tudo a postos?  Clic!

Sol ébrio, capturado por tc em Santorini, Mar Egeu

Nenhum poente lírico que se preze resiste. De tão borracho, ficou entalado. Bem feita. E nós, com um poente cativo. Só nosso. Para sempre, como nas fotografias ridículas.

Sobre Teresa Conceição

Ainda estou a aprender esta terra de hieróglifos. Tenho na mala livros e remoinhos, mapas e cavalos guerreiros, lupas e lápis de cor: lentos decifradores. Sou nativa de Vadiar, terra-a-terra. Escrever? Ainda não descobri onde fica. Mas parto com bússola e farnel (desconfio que levo excesso de bagagem).
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

5 respostas a Todas as cartas de amor são ridículas?

  1. G.Rocha diz:

    Que inveja…. um por do sol lindissimo, em boa companhia e um copito de sangria de champanhe e já ficava uma mulher feliz 🙂

    Só tenho uma coisa a dizer aos que acham “ridiculo” o amor e todas as suas manifestações: Deixem de ser piegas! 🙂

    Aproveitemos bem a vida, e o resto são cantigas! 🙂

  2. Teresa Conceição diz:

    Foi esta a carta que eu recebi (fiquei sem palavras, por isso tirei esta fotografia)

    “Todas as cartas de amor são
    Ridículas.

    Não seriam cartas de amor se não fossem
    Ridículas.

    Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
    Como as outras,
    Ridículas.

    As cartas de amor, se há amor,
    Têm de ser
    Ridículas.

    Mas, afinal,
    Só as criaturas que nunca escreveram
    Cartas de amor

    É que são
    Ridículas.

    Quem me dera no tempo em que escrevia
    Sem dar por isso
    Cartas de amor
    Ridículas.

    A verdade é que hoje
    As minhas memórias
    Dessas cartas de amor
    É que são
    Ridículas.

    (Todas as palavras esdrúxulas,
    Como os sentimentos esdrúxulos,
    São naturalmente
    Ridículas.)

    Álvaro de Campos (1935)

  3. manuel s. fonseca diz:

    Thérèse, e não é que são mesmo dois meses de Tristeza, tão magnífica tristeza. Mas que grande pôr do sol.

  4. Tchin-tchin all
    e um Prost para si!

  5. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Que sede! Triste, invejosa e talvez ridícula…

Os comentários estão fechados.