Wunderkammer 1

A Hoover Institution, uma das redes neuronais da Universidade de Stanford, começou a divulgar os álbuns de fotografias de Julius Streicher e Henrich Himmler, dois espécimes do bestiário nazi. Os álbuns pertencem ao espólio da Hoover. Algumas das fotografias podem ser vistas ilustrando o artigo “Nazi Family Values” ( via hoover.org.) mas as fotos – sorrisos ao lado de crianças, poses junto a empregadas domésticas, retratos de visitas mais ou menos oficiais – não são o mais impressivo da recolha.

álbum privado de Heinrich Himmler

álbum privado de Julius Streicher

As cores, os símbolos, os materiais ( runas, veludo, suásticas, ferro, águias do império, pele), esse feroz esmero posto nas capas dos álbuns é, de certa maneira, uma viagem directa à psique do regime. A viagem  mete medo.

Sobre Pedro Marta Santos

Queria mesmo era ser o Rui Costa. Ou sonâmbulo profissional. Se não escrever, desapareço – é o que me paga as contas desde 1991 (são 20 anos de carreira, o disco está a sair). Há momentos em que gosto mais de filmes do que de pessoas, o que seria trágico se não fosse cómico – mas passa-me depressa. Também gosto dos olhos da Anna Calvi. E das bifanas do Vítor. Aprecio um brinde: “À confusão dos nossos inimigos”. Não tenho nenhuns, só uma ternura infinita pelo azul das árvores e o amarelo do mar. E peço: digam-me mentiras.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

3 respostas a Wunderkammer 1

  1. manuel s. fonseca diz:

    Quem já os tinha topado era o Spielberg dos Salteadores da Arca Perdida

  2. Carla L. diz:

    Prefiro não embarcar nessa viagem.

  3. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Sokurov mostrou-nos que existe ainda humanidade dentro do Monstro…pensar que o monstro não é humano é que é utopia…ou ficção científica…

Os comentários estão fechados.