Cartografias e outros enigmas

Não, não foi pelas orelhas, isso não.
Mas a verdade é que senti um fremitozinho de terror impotente quando a nossa engenhosa Rita me instou (sim, instou) a ser diseur por um momento.
E logo num poema da Eugénia!…
Escolhi este por duas boas razões, uma delas útil: não é extenso, logo teria menos tempo para perder o lanço e me espalhar ao comprido numa performance assim-assim patética…
A outra razão, a importante, é mais egoísta: gosto muito deste Bypass, da sua síntese sobre alguns dos escolhos invisíveis do mundo e do nosso viver nele.
Sublinho o conselho do Manuel: leiam, porque só à terceira tentativa é que tudo ficou mais ou menos audível, para se ver a minha absoluta falta de jeito…

Sobre António Eça de Queiroz

Estou em crer que comecei a pensar tarde, lá para os 14 anos, quando levei um tiro exactamente entre os olhos. Sei que iniciei a minha emancipação total já aos 16, depois de ter sido expulso de um colégio Beneditino sob a acusação – correcta – de ser o instigador dum concurso de traques ocorrido no salão de estudo.
E assim cheguei à idade adulta, com uma guerra civil no lombo e a certeza de que para um homem se perder não é absolutamente necessário andar encontrado.
Tenho um horror visceral às pessoas ditas importantes e uma pena infinita das que se dizem muito sérias. Reajo mal a conselhos – embora ceda a alguns –, tenho o vício dos profetas e sou grande apreciador de lampreia à bordalesa e de boa ficção científica.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Cartografias e outros enigmas

  1. teresa conceição diz:

    António, já estava a sentir a sua falta aqui no palco poético!
    E quem me dera uma voz assim para potenciar palavras. Parece uma voz com 1,90 ou assim. Faz falta, neste alto exercício de ler as palavras da nossa Eugénia. Saiu-se tão bem que não se vai escapar a próxima convocatória, suspeito…

    • António Eça de Queiroz diz:

      Bondade sua, Teresa, é só voz de 1,87.
      Ter gostado já me sossega um bocadinho…
      Obrigado

  2. Rita V diz:

    ah ah ah
    deserta por isso estou eu!
    Está lindo António
    Obrigada

    • António Eça de Queiroz diz:

      A nossa professora Rita Pardal diz que assim está bem…
      Ainda bem que gosta (mas agora dê-me tempo para reganhar o fôlego).

  3. manuel s. fonseca diz:

    Bem lido- A voz é o bypass da poesia.

  4. António Eça de Queiroz diz:

    Mas olhe que até acredito, querida Eugénia.
    Como gosto de fazer surpresas, fiquei contente…

  5. Rita V diz:

    eh eh eh
    achei graça ao p.s.

  6. Luciana diz:

    Tenho gostado tudo dessa idéia. E que delícia saber mais um tantinho seu, amigo, agora em sons.

    • António Eça de Queiroz diz:

      É Luciana, agora já conhece meu ‘gruink-gruink’ de javali domesticado…

  7. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Mas que poderosa e bela falta de jeito, assim fossem todas…

    • António Eça de Queiroz diz:

      Fez-se o possível, Bernardo, ainda assim…
      Bem, se gostaram isso é que importa.

Os comentários estão fechados.