Inside my head

Às vezes, inventamos pessoas dentro nas nossas cabeças. Não sei é se quando fechamos os olhos o mundo desaba, morto, ou se é quando fechamos os olhos que o mundo floresce, estala em fogo de artíficio e a deusa renasce, viva.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

6 respostas a Inside my head

  1. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Manuel fiquei sem saber de quem é a voz que declama o belo poema!? Eu acho que o mundo é muitas vezes inventado com os olhos fechados…da mesmo forma que se pode morrer de olhos abertos.

    • manuel s. fonseca diz:

      Bernardo, a voz é do Tom O’Bedlam que lê todos os poemas publicados neste canal chamado Spoken Verse.

  2. Carla L. diz:

    É tanta coisa que a gente inventa dentro dessas nossas cabeças, são pessoas, expectativas, encontros, desencontros, enfim, um universo infinito.Essas minhas invenções possuem cor, cheiro e sabor.Certamente seriam a minha perdição se não fosse aquela minha insistente lucidez.

  3. manuel s. fonseca diz:

    E se forem mentiras são melhores do que muitas verdades.

  4. Rita V diz:

    I think I Made You Up Inside My Head.
    What a Love Song!

Os comentários estão fechados.