Malagueña salerosa

Malagueña

Por culpa do Diogo, meti-me a ler a “Life” do Keith Richards. Embalei, inalei e o diabo a quatro, quando de repente o gajo (não é o Diogo, agora já é o Keith) me diz que foi o avô Gus a dar-lhe as dicas para o ensinar a tocar guitarra. Tudo numa única lição: tocas a Malagueña e és músico, não tocas e vai-te despir que a gente já te atende.

Ainda pensei que era uma boutade, mas bem mais à frente no livro, percebe-se que o Keith sendo mais de se despir do que de francesismos, volta, vestidinho e ao pé do adorado avô, a servir-se da mesma referência: tudo o que há para se aprender está na puta desta canção. Um puto inglês dos anos 50 aprendeu a tocar guitarra com uma cantiga mexicana a suar nostalgia de Málaga por tudo o que é poros. E não foi o Instituto Cervantes nem o raio que o mandou aprender assim. Foi o saxónico ou lá o que é avô dele: por gostar e saber do que gostava.

Isto não vai lá com subsídios nem com cara feia, isto vai lá com amor e com gajos bons.


Tarantinos e Chingóns a que saiam coisas das vísceras ajudam muito.

 

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

15 respostas a Malagueña salerosa

  1. Diogo Leote diz:

    Manuel, fico arrepiado só de pensar que sem esta Malaguena os Stones não seriam nada…

    • Manuel S. Fonseca diz:

      Ainda tentei aprender a tocar guitarra. Ninguém se lembrou de me ensinar a Malagueña…

  2. teresa conceição diz:

    “Isto vai lá com amor e com gajos bons”
    – podíamos afixar isto em cartazes para inspirar quem passe.
    Já agora, com uma Malaguena a acompanhar.

  3. António Eça de Queiroz diz:

    Também acho que devíamos pendurar os cartazes da Teresa.
    A Rita é que os podia desenhar!…

  4. Vasco diz:

    A minha preferida foi e é de longe esta aqui de 74

  5. Panurgo diz:

    Não se preocupe, Manuel. Gajos bons é que o que não falta para aí – não há senão génios nesta nossa mátria. E sai-lhes tudo das vísceras,ó se sai… can tell by the smell…

    Mas, que raio… pimbalhada mexicana?

  6. Bernardo Vaz Pinto diz:

    gajos bons a tocar a Malagueña, pelos vistos deu resultado para muitos…vou tentar aprender…

  7. fernando canhao diz:

    isto vai lá com amor e com gajas boas.

  8. fernando canhao diz:

    e quantas mais melhor

Os comentários estão fechados.