O dia mundial da poesia

O que é isso que passamos de mão em mão? Rosa ou pão? E não digam que pátria não.

O que de mão em mão vai, e nem precisamos de passar porque é coisa que salta, caminha, circula por si mesma, é rosa, pátria e pão. Rosa que ilumina a escassez dos dias, os desesperados montes dos vendavais. Pão que alimenta e dá bem-aventurança aos que têm fome e sede, seja fome de verdade, seja sede de justiça. Pátria que acolhe a mais estrangeira solidão.

O que passa, isso que passa, sopro de morte e vida a que se chama sonho, é a luz de uma palavra, o silêncio entre o som e o eco, o tempo que corre e se perde como a água de um rio.

A Rita, a minha imparável Rita, inventou esta maneira de comemorarmos hoje, tão Triste, bela e esplendorosamente Triste, o Dia Mundial da Poesia. Ler poemas. Para começar a Eugénia escolheu e deu voz e espelho a este poema de Jorge de Sena.

Começou há um minuto o Dia Mundial da Poesia. Mal seria se não tivéssemos mais um rosário de substantivas surpresas para um dia tão adjectivo. Rosas, pão e pátria o dia todo. É que nem os Tristes sabem!

Sobre Escrever é Triste

O nome, tiraram-mo de Drummond. Acompanho com um improvável bando de Tristes. Conheço-os bem e a eles me confio. Se me disserem, “feche os olhos”, fecharei os olhos. Se me disserem, “despe-te”, dispo-me.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

25 respostas a O dia mundial da poesia

  1. manuel s. fonseca diz:

    Tão bem, muito bem dito pela Eugénia. É uma pequenina palavra bruxuleante e brilha. Aqui, no meio de nós. Parabéns à Rita e à Eugénia.

    • João Pessoa diz:

      E no final, tudo brilhou!
      O Jorge de Sena, que brilha intensamente, lá onde está.
      A Rita, que Brilha, cá, onde está
      O Manel, que brilha, ao mostrar onde o poema está.
      E eu, que brilhei, ao ler e ouvir, o poema, no sítio onde está!
      João Pessoa

      • Escrever é Triste diz:

        Saiba que gosto o ver aqui em visita. O João tem idade para ser tão meu sobrinho como os meus Tristes e lindos sobrinhos.

        • João Pessoa diz:

          Que bom ter uma tia assim
          e uns primos, assados
          e uma família cozida,
          estando eu temperado, em lume brando.
          É a fome que brilha
          bruxuleante
          entre a poesia que grita
          que contesta
          mas com o estômago vazio,
          Ninguém ouve…

    • Escrever é Triste diz:

      Vê como quando quer o menino Manuel até é um menino gentil!

  2. Rita V diz:

    «Parabéns à Tia» que fez um belo texto …
    🙂

    • Escrever é Triste diz:

      Ó querida Rita, sem a minha menina não havia alegria e rebuliço nesta minha mansão!!! O texto é copiado, ah, ah, ah…

  3. Teresa Conceição diz:

    Parabéns à Rita pela ideia!
    da titi nem se fala, claro.
    e da Eugénia muito menos: escutamos.
    É tão bonito ouvi-la.

  4. António Eça de Queiroz diz:

    Muito boa ideia sim, senhora minha Tia (e prima Rita).
    E eu finalmente fiquei a saber algo mais sobre a Eugénia: a sua voz…

  5. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Que surpresa revela a tia, com a ideia da Rita, a voz da Eugénia e um publico triste…mas estarrecido , pasmado e agradecido…bom dia poesia!

    • Escrever é Triste diz:

      Também eu fiquei estarrecida com a ideia da Rita. Até me arrepio, agora, quando o telefone toca.

  6. Oh, tia deles! Grande texto.

    • Escrever é Triste diz:

      Ó querida Ivone, isso é um miminho seu para acompanhar o nosso chá, não é?

  7. Ana Vidal diz:

    Mas que bela ideia, Rita! E que bela voz, Eugénia! E que belo poema, Jorge…
    Os Tristes sempre a surpreender. 🙂

  8. Olá, minha querida Rita!

    Bem escolhido, este poema de Jorge de Sena, para este dia mundial da poesia. Pessoalmente, tenho enorme admiração e gosto por Jorge de Sena. Ele e meu pai foram amigos. Imensa correspondência – cartas – entre eles num período de vinte anos deixam perceber estas duas almas inquietas.

    Gostei. Muito obrigada!

    Um beijo para ti, Rita

    Cristina Carvalho

    • Querida Cristina , apesar de eu não ser ‘a Tia’, destes primos, agradeço a tua visita a este nosso triste lugar. As almas inquietas deixam memórias e saudades todos os dias.
      … e pensando bem, ainda bem que há dias que não parecem todos os dias
      😀

  9. E por ser Dia Mundial da Poesia, por terem sido amigos – Jorge de Sena e António Gedeão – conforme referi no “post” anterior, deixo este poema TEMPO DE POESIA de António Gedeão in “Movimento Perpétuo”, 1956

    Todo o tempo é de poesia

    Desde a névoa da manhã

    à névoa do outo dia.

    Desde a quentura do ventre

    à frigidez da agonia

    Todo o tempo é de poesia

    Entre bombas que deflagram.

    Corolas que se desdobram.

    Corpos que em sangue soçobram.

    Vidas qua amar se consagram.

    Sob a cúpula sombria

    das mãos que pedem vingança.

    Sob o arco da aliança

    da celeste alegoria.

    Todo o tempo é de poesia.

    Desde a arrumação ao caos

    à confusão da harmonia.

    Obrigada!

    Cristina Carvalho

  10. Tchin …Tchin…
    Obrigada querida Cristina

  11. Escrever é Triste diz:

    Fizemo-la feliz? Acredite que muito menos do que a Eugénia a nós.

  12. Teresa Veloso diz:

    Que bem que fica a voz de menina da Eugénia neste poema.
    Surpresas maravilhosas, a voz daEugénia, a ideia da Rita.
    Obrigada.

Os comentários estão fechados.