O Surfista Prateado

Hoje não morreu Jean “Moebius” Giraud. Os génios não morrem, surfam. Pelas estrelas.

 

Sobre Pedro Marta Santos

Queria mesmo era ser o Rui Costa. Ou sonâmbulo profissional. Se não escrever, desapareço – é o que me paga as contas desde 1991 (são 20 anos de carreira, o disco está a sair). Há momentos em que gosto mais de filmes do que de pessoas, o que seria trágico se não fosse cómico – mas passa-me depressa. Também gosto dos olhos da Anna Calvi. E das bifanas do Vítor. Aprecio um brinde: “À confusão dos nossos inimigos”. Não tenho nenhuns, só uma ternura infinita pelo azul das árvores e o amarelo do mar. E peço: digam-me mentiras.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

2 respostas a O Surfista Prateado

  1. Vasco diz:

    Adeus Grande Mestre! Eu cá ficarei para dar cabo dos Meta-Barões e preservar o espírito do Incal.

Os comentários estão fechados.