The Meeting Place

Devo à Eugénia a descoberta. Tudo porque lhe confessei a minha ignorância em relação a uma menina de nome Jill que nos trouxe aqui. A menina Jill, segundo a bem informada Eugénia, deve a sua fama ao facto de ter sido capa de um disco. Desconfiei de tanta fama por causa de uma simples capa. Não, não era uma simples capa, era a capa de um disco dos Last Shadow Puppets, voltou a informar a sábia Eugénia. Esse nome diz-me qualquer coisa, mas não estou bem a ver de onde, continuava eu ignorante, para logo a Eugénia me presentear com um vídeo dos ditos. Fui espreitar. Outra vez, uns rapazinhos a imitarem a pose dos Beatles dos earlies 60´s, não bastavam já os irmãos Gallagher? Mas, se é a Eugénia que os recomenda, algum mérito devem ter, pensei eu para afastar o cepticismo inicial. E, se ainda hoje largo tudo para ouvir o Liam Gallagher cantar o Whatever, porque não dar o benefício da dúvida à Eugénia e aos seus Last Shadow Puppets? Até porque tenho de reconhecer, depois de olhar para os últimos cinquenta anos da música popular, que não me lembro de nenhum nome de banda que soe tão bem como Last Shadow Puppets.

Fui então investigar. Fui investigar e deparei com a preciosidade que aqui vos deixo. Desde que o ouvi que este The Meeting Place não tem saído do meu auricular ou de quaisquer colunas de som que estejam à minha mão. Estes rapazinhos, afinal, são os maiores, dignos de imitarem quaisquer grandes imitadores de Beatles. É claro que a Jill não está à altura da Kate Moss, em tempos inseparável companheira do Liam. Mas não se pode ter tudo. Quem tem música desta para dar ao mundo, até se pode dar ao luxo de dispensar a Kate Moss.

Sobre Diogo Leote

Longe vão os tempos em que me divertia a virar costas a senhoras que não gostavam de Woody Allen. Mas os preconceitos de então ficaram-me. O de preferir as vozes sofridas e os gritos de raiva, ou os sons negros e abafados, ao fogo-de-artifício dos refrões fáceis. O de só admitir happy ends em situações excepcionais, quase sempre em histórias de amor em que ninguém apostaria um cêntimo. O de não procurar encontrar explicação para os desígnios insondáveis da sedução ou para tudo o que não é dito, que é quase tudo, na grande arte. E continuo com esta mania de andar atrás da tristeza. Dizem os psicólogos que isso é um privilégio dos que não a têm no seu código genético. Eu não os desminto. A verdade é que, se não embirrasse tanto com a palavra “feliz”, até a usaria para exprimir o prazer que sinto ao escrever sobre almas abandonadas ou corações destroçados. Ainda bem que escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

11 respostas a The Meeting Place

  1. ‘Mensagem subliminar é a definição usada para o tipo de mensagem que não pode ser captada diretamente pela porção do processamento dos sentidos humanos que está em estado de alerta. Subliminar é tudo aquilo que está abaixo do limiar, a menor sensação detectável conscientemente. Importante destacar que existem mensagens que estão abaixo da capacidade de detecção humana’
    in Wikipédia
    Diverte-me a interpretação que damos ao que vemos, lemos, ouvimos, sentimos , etc… Podemos não ter o mesmo gosto musical mas gosto à brava dos seus textos e da sua paixão.

    • Diogo Leote diz:

      Gostares ã brava dos meus textos e da minha paixão é bom à brava de se ouvir e mais ainda de se ler. Quanto às mensagens subliminares, fica aqui o desafio para um desenho cheio delas. Topas?

  2. Manuel S. Fonseca diz:

    Uns catraios. Já cantam cada vez mais novos.

    • Diogo Leote diz:

      Modernos, moderninhos estes catraios. Qualquer dia estão a fumar. Eu aqui deixo-os entrar mesmo sem BI. Desde que não venham acompanhados de Justin Biebers ou de Miley Cyrus são muito bem vindos.

  3. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Oh Diogo, com ou sem Last Shadow Puppets, eu prefiro a Jill à Kate, mas isto são gostos “musicais” que não se discutem….

    • Diogo Leote diz:

      Bernardo, ainda bem que preferes a Jill à Kate, eu não suportaria disputar a Kate com um amigo…

      • Bernardo Vaz Pinto diz:

        Ninguém falou em disputar me caro, olha que também sou ciumento…

        • Diogo Leote diz:

          Bernardo, mas podemos gostar os dois de Last Shadow Puppets. Desconfio que este blog ainda te vai fazer gostar de pop.

  4. Diogo Leote diz:

    E vou coincidir ainda mais: vou voltar a chamar a Kate para junto de mim porque não a suporto ver triste. E vou dançar com ela ao som dos Arctic. Os sacrifícios que eu faço por si.

  5. Panurgo diz:

    Que giro. Também só gosto de um tema desta banda e descobriu-o assim:

    http://www.youtube.com/watch?v=JFQ8-YA__BA

    My man.

    • Diogo Leote diz:

      Agradeço a viagem com o Adam Clayton, caro Panurgo. Só não percebi se os Last Shadow Puppets lhe saiam das colunas do carro ou se já foram uma liberdade do autor do video…

Os comentários estão fechados.