Um mundo masculino

 

Nesta canção de Springsteen há um mundo masculino que se despede, um mundo de saber fazer coisas com as mãos, serrar, pegar num martelo, arranjar canos, ser mecânico, espalhar cimento. Era um mundo de grande nobreza, orgulhoso, hoje olhado quase com desdém. Tenho saudades do mundo do meu pai.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

19 respostas a Um mundo masculino

  1. Ana Rita Seabra diz:

    Gostei desse mundo masculino
    The Boss, muito bem escolhido 🙂

  2. caruma diz:

    Muito bem identificado este “mundo masculino”. Ainda conheço uns exemplares, jovens – e poucos – de que muito gosto. Saudades do Homo Faber.

    • manuel s. fonseca diz:

      Parecia haver uma medida certa, a de ser o homem a medida de todas as coisas. Os problemas eram à medida das mãos de um homem,..

  3. Rita V diz:

    desdém?
    pois fique sabendo que um painel de ferramentas é uma coisa muito sexy!

    • heloisa diz:

      também acho.
      um jack of all trades e sua tool-box são o que há de viril (isso, sem falar da sua utilidade doméstica veramente inestimável).

    • manuel s. fonseca diz:

      Rita e Heloísa,
      Eu ainda tenho um martelo e um jogo de chaves de fendas…
      Estou a falar a sério, claro. E um busca-pólos.

  4. Disto e Daquilo diz:

    Pois cá por casa quem faz todo esse tipo de trabalhos sou eu. Além de costuteira, também sou canalizadora e electicista. Do meu enxoval fizeram parte além de uma máquina de costura uma caixa de ferramaentas “comme il faut” com um berbequim e tudo. Aúltima obra foi mudar um interrupor duplo que se partiu. Adoro este tipo de tarefas. Tão relaxantes como bordar ou mudar a terra das plantas. 🙂

    • G. diz:

      Só falta deixar o contacto para a contratarmos 😉 🙂

      Mais um belissimo texto e a musica do meu sexy simbol preferido…. The Boss tem um não sei quê … que me deixa louca :)…. a Voz que mais 🙂

      • Manuel S. Fonseca diz:

        Disto e Daquilo e G, vão ver que ainda montamos uma pequenina empresa de serviços. Obrigado a ambas pelos comentários.

  5. fernando canhao diz:

    No meu mundo os parafusos nao sao coisas anonimas, teem nomes, Parker Kalon por exemplo, os motores (se pequenos) sao Detroit Diesel, ou se maiorzinhos e pela natureza das coisas Wartsilas – Pielsticks. As Pick-ups levam pessoas na caixa de carga e sao guiadas sem pressas. E pelos varios generos. Nao existem mundos masculinos, apenas paises tontos onde os chefes de soldadura sao sempre homens va se la saber porque. Chave de parafusos parece me ser uma maneira muito suave de identificar um screw driver. Um bom dia para si que bem o merece.

    • caruma diz:

      Politicamente correcto, F. C.

      • fernando canhao diz:

        Politicamente correcto? De modo algum, apenas muito longe da europa. Absolutamente.

        • Manuel S. Fonseca diz:

          Não me diga, Fernando, que vive aí paredes meias, mais Estado, menos Estado, com o Boss?
          Belo comentário o seu.

          • fernando canhao diz:

            um pouco mais longe, e claro tem toda a razao as chaves nao sao de parafusos mas pela natureza das coisas de fendas como muito bem indica, hence the screw driver.

  6. Disto e Daquilo diz:

    Exactanebte Fernado canhão .-)

  7. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Um hino que fica no ouvido, um “back to basics ” que chega fundo na carne…e que belo solo final de guitarra…gosto dos artistas que , como o vinho do Porto, já não têem de provar nada e simplesmente são…grandes artistas.! vou comprar o álbum!

  8. manuel s. fonseca diz:

    Precisamos, sim. Não é que não possa viver com o mundo que temos e que é o meu, mas que esse, o outro, me faz falta, faz.

  9. manuel s. fonseca diz:

    Ele não será tão bom guitarrista como o Keith Richards – e anda se calhar à procura no sítio oposto da casa – mas tem um lado inocente, irish, country, que neste album me agrada muito.

Os comentários estão fechados.