Vénus sem camisa

 

Está deitada, como a Vénus de Urbino, de Ticiano. Pintada por Giorgione em 1510, esta Vénus Adormecida estende-se ao longo da tela, como mais tarde se estenderá a sua especular rival, ocupando todo o primeiro plano.

A outra Vénus, a de Ticiano

A deusa de Giorgione dorme numa falsa paisagem, Esse mundo bucólico que se espalha pela tela, atrás da mulher nua, é irrelevante. Um mundo de silêncio e de distância. Há casas e castelos ao fundo mas, mesmo que saíssem de casa, os habitantes não veriam a despida mulher que dorme, indiferente à natureza e a natureza a ela.

A mulher, deusa ou cortesã, estende-se confortável sobre o lençol branco e a colcha vermelha. Nenhum leito lhe daria mais conforto. Os seios são de uma redonda e delicada elegância, os mamilos em sossego e recato tão adormecidos como os olhos que se fecham. O braço direito dela é uma almofada de penas que à cabeça se oferece, enquanto o braço esquerdo corre ao longo do corpo, a mão caindo da coxa para a intersecção com o ventre, os dedos dedilhando as musicais e húmidas teclas de sombra. A mão esconde? Ou toca leve o corpo que espera e deseja? Ou tapa para que a fenda guarde o calor do amor que passou?

A serenidade do rosto dela! Saciada? Os olhos que se fecham, fecham-se antes ou depois? E se depois, onde está o fauno, o sátiro obsceno que a tomou sem pudor entre a terra e o céu? Tanto amor, tanta ausência.

Faz-me pensar em Brigadoon, a aldeia escocesa que aparecia uma vez em cada século. Será que a deusa, esta Vénus sem camisa, aparece de mil em mil anos, numa paisagem vazia, bucólica, algures onde nem é céu, nem é terra?

húmidas teclas de sombra

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

7 respostas a Vénus sem camisa

  1. fernando canhao diz:

    Na Ericeira da minha juventude a Venus de Ticiano escondia o contador de electricidade. O funcionario das electricidades que ia contar a luz brejeirava sempre com ela, chamando lhe a menina com a mao na flor. O equivoco nunca era desfeito e repetia se sempre. Nao sei o que se teria passado se Giorgione tivesse sido a opcao paternal na escolha do human shield. Anos de indevida fixacao erotica resolvidos hoje com a sua ajuda. Sem duvida que a de Giorgiano da dez a zero a outra.

    • Manuel S. Fonseca diz:

      Parece que, tendo morrido aos 33 anos, Gorgione a deixou inacabada e terá sido Ticiano a acabar de adormecer esta Vénus. Deve ter gostado tanto da cama onde com ela se deitou que teve uma recidiva.

  2. Teresa Conceição diz:

    Que bonita esta paisagem não dormente que nos trouxe, vinda nem do céu nem da terra.
    Traz música com ela, já antes das teclas.

  3. manuel s. fonseca diz:

    Pois tem toda a razão e já me tinha rido sozinho, e agor rio-me na sua boa companhia, a ver a Venus com dois braços direitos.

  4. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Belos campos estes em que as musas se deitavam e deleitavam….como diz, após a hora do amor, ou à espera do amado???

Os comentários estão fechados.