Um vinho de veludo

O Green

É preciso ser-se muito bom para se tocar com esta ociosa simplicidade. O tema chama-se Idle Moments. É uma gravação desses agitados e sonhadores anos 60. De 63, para ser mais preciso. O guitarrista Grant Green lidera aqui um grupo que inclui Joe Henderson como sax tenor, Bobby Hutcherson no vibrafone, DukePearson ao piano, Bob Cranshaw no baixo, e Al Harewood na bateria.

Não sei se faz algum sentido o que vou dizer, mas está aqui, neste tema de quase 15 minutos, um certo modo de conversar, de passar a noite a contar histórias modorrentas entre amigos, sem pressa de convencer ninguém, com uma confiança calma, um vinho de veludo.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Um vinho de veludo

  1. Manel, passe-me a caixa do cd e … if u don’t mind, chegue-me esse Esporão que está quase no fim.
    Onde é que íamos?

  2. manuel s. fonseca diz:

    nhamm, o Esporão mastiga-se…

  3. António Eça de Queiroz diz:

    Eu apostava no quase desconhecidíssimo Foz de Arouce, com uma lareira aos pés…

  4. Outra famosa frase dos movies, a pensar na escola do prior do Crato, Sandra Dee: “também sabes ler?!” (traduzido, perde o seu valor sócio-pedagógico: “you can read, too?!)

  5. MJC diz:

    Começar uma manhã de um sábado chuvoso a saborear vinhos não está mal pensado, não senhor. 🙂
    De entre os pouco conhecidos, com preços em conta e que deslizam como veludo um Gaeiras ou Chaminé estão nas minhas preferências. Deu-me a vontade e______________ ora deixa cá ver _______________já são quase 11:30, hora de começar a pensar o que fazer para o almoço. Penso que vou abrir um Gaeiras, com umas tirinhas de um “alentejano mal cheiroso” e uns nacos de pão ____________ pode ser que a inspiração e vontade de cozinhar se aproximem de mansinho.

    🙂 🙂 🙂

  6. Manuel S. Fonseca diz:

    Bon appetit!

  7. pedro marta santos diz:

    Grande idílio, grande música.

  8. Bernardo Vaz Pinto diz:

    A simplicidade na música, assim como em muitas outras formas de arte, é difícil de atingir. Muitos ficam pelo “barulho” da complexidade…gosto muito de Green , e vou abrir também uma garrafinha para saborear melhor …

  9. Ana Rita Seabra diz:

    Com o vinho de veludo e escutando este Green podemos ficar pela noite fora a conversar e a saborear, a música, o vinho e a companhia (boa, muito boa)

    • Manuel S. Fonseca diz:

      Já voltei a ouvir uma mão cheia de vezes. É uma coisa feliz este idle moments…

Os comentários estão fechados.