A morte é um velho hábito que costuma ter a gente (*)

Winslow Homer. The Fog Warning, 1885.

Ahab vai morrer. A ténue camada de um cinzento que se diz invisível, os veios finíssimos de sombra, a noite timidamente recortada na eternidade, o sopro cansado do destino. Traiçoeira, esconde-se na fragilidade daquele último instante, no silêncio dourado de um Mundo que deixa de girar por segundos, no silêncio ritmado de um Verão que se esvai. Ahab vai Morrer. E eu hoje sei, com uma certeza dorida de veludo e sal, porque me deixei ficar, horas a fio, naquela tarde  de Boston, a olhar, pintada a óleo, a sua serena resignação.

(*) Jorge Luís Borges. Milonga de Manuel Flores.

Sobre Pedro Norton

Já vos confessei em tempos que tive a mais feliz de todas as infâncias. E se me disserem que isso não tem nada a ver com tristeza eu digo-vos que estão muito, mas muito, enganados. Sou forrado a nostalgia. Com umas camadas de mau feitio e uma queda para a neurose, concedo. Gosto de mortos, de saudades, de músicas que nunca foram gravadas, de livros desaparecidos e de filmes que poderiam ter sido. E de um bom silêncio de pai para filho. Não me chamem é simpático. Afino.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a A morte é um velho hábito que costuma ter a gente (*)

  1. Ahab queria tanto, que encontrou …

    • Pedro Norton diz:

      Não sei se queria, Rita. Mas quando a viu, aceitou. Não há ali pinga de angústia.

  2. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Que arrepio, espero que não de morte, neste belo texto, com a sal do mar do Homer na garganta…

    • Pedro Norton diz:

      Obrigado Bernardo. Mas belo, belo é o quadro. Passei horas a olhar para ele e agora reencontrei-o num catálogo magnífico do MFA.

  3. manuel s. fonseca diz:

    Lá ao fundo, atrás, na linha de horizonte, são nuvens ou o fumo da artilharia de um terrível inimigo?

  4. O Eco de Umberto diz:

    O pescador do barco bem poderia ser o Zé Maria de Ovar, na pesca do bacalhau. Assim morreram tantos, vendo a esperança ao fundo a ir-se embora. Ahab, esse, precisava de uma baleia que o matasse, bacalhau era de menos para ele.

    • Pedro Norton diz:

      Talvez fosse filho de açorianos. Na nova Inglaterra que Winslow Homer pintou ainda hoje vivem muitos.

  5. pedro marta santos diz:

    Seja bem regressada, Sua Iminência. O quadro é do caraças.

  6. António Eça de Queiroz diz:

    Grande quadro!

    • Pedro Norton diz:

      Grande quadro, num grande museu: o Museum of Fine Arts, em Boston.
      Abraço, António!

Os comentários estão fechados.