Apresentem-se à morte

Leio com atraso a crónica de Patrick Besson no Le Point. Escreveu-a em Gand, depois de assistir a uma manifestação juvenil. Havia alguns velhos debruçados sobre o rio a ver desfilar nas águas o seu passado, vai contando Patrick, e de repente sai-se com esta: “On est hagard dans la vieillesse avant d’arriver penaud devant la mort.” Passou-me um frio pela espinha: ficamos aterrorizados no meio da nossa velhice, antes de nos irmos apresentar perplexos à morte.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

4 respostas a Apresentem-se à morte

  1. Rita V diz:

    open you arms
    close your eyes

  2. Manuel S. Fonseca diz:

    É o que se chama colaborar com as autoridades

  3. fernando canhao diz:

    No More Games. No More Bombs. No More Walking. No More Fun. No More Swimming. 67. That is 17 years past 50. 17 more than I needed or wanted. Boring. I am always bitchy. No Fun — for anybody. 67. You are getting Greedy. Act your old age. Relax — This won’t hurt…

    — Hunter S. Thompson

  4. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Diz a esperta velhice à morte : larga-me, não é bem melhor que escolhas a juventude?
    Mas sim, estaremos sempre perplexos perante a noite do fim da vida.

Os comentários estão fechados.