Estavas tu tétrica e meditabunda… e eu medi-te a bunda com uma fita métrica!

Tinha de começar assim.
Por uma razão simples: não ligo pevide a túmulos, não me interessa nem um pouco como será o meu – ou sequer se será, pois conheço soluções bem mais higiénicas –, e a mera ideia de um epitáfio associado à minha pessoa faz-me pressentir intimamente a anedota que a vida por vezes parece querer ser.
Um exemplo: o homem que formou a primeira polícia londrina digna desse nome, no século XVIII, os Bow Street Runners, morreu perto de Lisboa em 1754 na sequência de tratamento médico adequado. Ora, o que poderá ter levado um homem culto, um intelectual da elite inglesa, um activo e inventivo como foi Henry Fielding (criou esse acontecimento literário chamado Tom Jones), a procurar cura para a gota e a asma e demais maleitas, de que sofria aos 47 anos, no cândido Portugal que ainda aguardava a visita científica de Voltaire, naquela Lisboa que só viria a ter alguma arrumação possível depois do Terramoto, de Pombal , de Duarte Pacheco, de Santana Lopes*?!…
Só uma grande anedota existencial, parece-me.
Não me vejo a morrer, a verdade é essa.
Ou por outra: acho que a morrer, tal já devia ter acontecido – nem que fosse a rir.
É mais isso.
Logo, acho isto tudo uma conversa bastante diletante (o que até está muito de acordo com o perfil do seu principal promotor, o nosso mahrajah Manuel S. Fonseca), bem capaz de excitar partes obscuras da libido e arredores – mas, talvez também por isso, influenciável por desejos anárquicos e efeitos poltergeist.
Porventura preventivo e ainda assim modesto (como convém nestas questões mais patibulares), lembro alguns epitáfios sul-americanos, desbragadas lápides de amorais conclusões, pelo nítido desarranjo que a morte do falecido provocou nos seus vivos mais próximos. Do género: «Hermenegildo Sampé (1902-1954) – Este aqui não morreu: fugiu sem pagar! Eterna saudade… Seus muitos credores…» Ou este, compreensivelmente mais crispado: «Olegário Malpica (1932-1977) – Gozou, gozou e tornou a gozar na mesma noite, mas no fim quem apanhou com o frete em cima foi mesmo eu. Te apanho no Inferno, cão! A viúva…».
A Eternidade, enfim, é um paradoxo em si – pois só se aceita pensar nela numa certa perspectiva temporal, e nós do Tempo nada sabemos. Gosto de admitir a possibilidade da minha transmutação em árvore, por exemplo, ou até numa pedra – nunca num ser vivo de sangue quente e oxidação tumultuosa.
Isso já chega.
Epitáfio?
«Volto já» – só para chatear.

* (adorei meter este patusco ao barulho; se ele morrer nos próximos dias já sabem: a culpa é minha – como é óbvio)

Sobre António Eça de Queiroz

Estou em crer que comecei a pensar tarde, lá para os 14 anos, quando levei um tiro exactamente entre os olhos. Sei que iniciei a minha emancipação total já aos 16, depois de ter sido expulso de um colégio Beneditino sob a acusação – correcta – de ser o instigador dum concurso de traques ocorrido no salão de estudo.
E assim cheguei à idade adulta, com uma guerra civil no lombo e a certeza de que para um homem se perder não é absolutamente necessário andar encontrado.
Tenho um horror visceral às pessoas ditas importantes e uma pena infinita das que se dizem muito sérias. Reajo mal a conselhos – embora ceda a alguns –, tenho o vício dos profetas e sou grande apreciador de lampreia à bordalesa e de boa ficção científica.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Estavas tu tétrica e meditabunda… e eu medi-te a bunda com uma fita métrica!

  1. como um jogo,
    tem um princípio, um meio e no fim
    pode voltar ao princípio
    ou não …

  2. António Eça de Queiroz diz:

    Ao princípio? Ao mesmo princípio acho que não – seria um frete impossível de aturar!…

  3. manuel s. fonseca diz:

    Diletante, eu??? Ah, ah, ah, que injustiça!!!
    Mas para diletante, dilentante e meio e o teu “Volto já” é muito bom…

  4. António Eça de Queiroz diz:

    Tipo ‘post it’ na campa…
    Pareceu-me original.

  5. Teresa conceicao diz:

    Esta’ lindo, António! Assim até da’ vontade ter epitafio. Esse esta’ muito perto de imbati’vel.

    • António Eça de Queiroz diz:

      A sério, Teresa?
      Tenho de começar a pensar mais seriamente no assunto…
      Ainda bem que gostou!

  6. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Entre os epitáfios Sul-americanos e o ultimo “volto já” fico sem imaginação para mais António ….e também “não me vejo a morrer ” agora, preciso de mais algum tempo….

  7. pedro marta santos diz:

    “Volto já” é de categoria.

    • António Eça de Queiroz diz:

      Bem, agora já é – depois de tanta confirmação tenho de concordar que a tirada escapista foi feliz…

Os comentários estão fechados.