Filmes: Casablanca

a audácia a plenos pulmões

Não sei se voltará a ser possível fazer filmes como este, tão económico na narrativa, tão exacto no ritmo, tão vital nas acções. Parece por vezes um filme desesperado (ou desencantado?) mas tem o trunfo de exprimir uma esperança de que hoje se perdeu o segredo. Agora ninguém teria audácia para elaborar uma cena como a da Marselhesa, cantada em pé e a plenos pulmões pelos humilhados e ofendidos do Ricky’s Café.

Quando o produtor, Hal Wallis, se atirou de cabeça ao projecto, poucos acreditavam nele. Ingrid Bergman não queria aceitar o papel. Achava a intriga confusa e não via como tirar dividendos para a sua carreira. Selznick, seu patrão ao tempo, convenceu-a, acenando-lhe com as vantagens de contracenar com Bogart.

a leading lady e o pobre e desgraçado oficila francês

 Mas Bogart também começou por torcer o nariz: parecia-lhe mal definida a personagem que lhe davam e se aceitou emprestar o seu ar duro, irónico, um pouco cínico (aprendido em Maltese Falcon) foi por duas razões: faltava-lhe ainda um papel em que contracenasse com uma leading lady e a amizade de Rick pelo romântico pragmático que era o pobre e corrupto oficial francês deixou-o pelo beicinho.

Mesmo Max Steiner, a quem a música é creditada, correu pautas à procura de uma canção para substituir As Time Goes By de que não gostava. Insistia que era capaz de  escrever uma canção de amor muito melhor.

Nem sempre 'a sigh' é só 'a sigh'

Devemos a um homem da indústria. Hal Wallis, a ousadia de se erguer contra todos e a todos ter convencido, acompanhado apenas pelo seu homem de mão, Michael Curtiz, il meglior fabbro que a Warner, produtora do filme, terá conhecido nesses anos de guerra. Quando voltarem agora a rever a atmosfera romântica de Casablanca e pelos olhos da vulnerável Bergman souberem que a kiss is still a kiss, a sigh is just a sigh lembrem-se também disto.

Mas, dito isto, quem raio é Hal Wallis?

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

16 respostas a Filmes: Casablanca

  1. fernando canhao diz:

    Na noite de estreia no Politeama, (Eden ou Condes nao tenho a certeza de qual e quem la estava ja deve ter morrido ou quase) , a Portuguesa foi cantada em pé e a plenos pulmões pelos humilhados e ofendidos de Lisboa. No dia seguinte a cena repetiu-se e depois passou a ser o momento alto da noite, e claro palmas e bravos sempre que se despachava um nazi. Ao fim de alguns dias o filme saiu de cartaz.

  2. Epá, um dos filmes mais gays da história do cinema, quem é que vai viver para Brazzaville com um polícia?

    e aqui uma das melhores cenas de porrada do cinema, porrada a sério tem que partir loiça da casa de banho (a mesma, da casa de McCartney, onde ela entrou e encontrou o Joe Cocker, agora remodelada):

    • manuel s. fonseca diz:

      Para Brazaville não digo, mas para Kinshasa é melhor, se fores, levar um polícia. Quanto ao homoerotismo de Casablanca são mais as vozes do que as nozes…

    • RB diz:

      eheheheheh

  3. caruma diz:

    AH AH AH AH mas que engraçada resposta/contracampo esta do Táxi Pluvioso . Já me ri.

  4. um oficila é sempre um oficila
    🙂

  5. Ana Rita Seabra diz:

    O tal Wallis foi um produtor com visão…
    Ficou o filme que é uma preciosidade 🙂

  6. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Tanto se esconde por detrás das tais imagens que passam a 24 “frames per second”, e o que fica fica para muito tempo…”he´s looking at you kid”…

    • manuel s. fonseca diz:

      O cinema, Bernardo, sempre foi muito mentiroso. E o que sempre mais mentiu foi mesmo o cinèma véritè…

  7. Nessa congolesa parte “o início de uma bela amizade”, extravasa a competência policial, requer mercenários, e terminaria se perdesse o último comboio do Katanga (que também tem, para além da Yvette Mimieux, uma das grandes frases cinematográficas: “very bloody ça va”:

    http://www.youtube.com/watch?v=rxJt0Hvsj4E

Os comentários estão fechados.