Letrinhas de algodão doce

 

As nuvens são a escrita do céu.

 

Congresso de literatura, avistado por tc

 

Há dias em que está tudo turvo: rascunho em processo de remodelação.

Há dias de escrita branca de tão fluida.

E há outros de precisão meticulosa: cada palavra tem um papel na página azul.

poema gráfico

Há dias românticos de carneirinhos: o céu tá apaixonado.

romance em construção

E não tarda nada estamos a levar com uma chuvada.

Há dias limpos em que não lhes sai nada: a falta de inspiração é crónica feminina.

página em branco

Aí sim, podemos ir a correr para a praia com outro livro debaixo do braço.

Sobre Teresa Conceição

Ainda estou a aprender esta terra de hieróglifos. Tenho na mala livros e remoinhos, mapas e cavalos guerreiros, lupas e lápis de cor: lentos decifradores. Sou nativa de Vadiar, terra-a-terra. Escrever? Ainda não descobri onde fica. Mas parto com bússola e farnel (desconfio que levo excesso de bagagem).
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

8 respostas a Letrinhas de algodão doce

  1. Rita V diz:

    … e apanhar um escaldão de letras
    😀

  2. António Eça de Queiroz diz:

    Gosto muito de fotografar nuvens!
    O ‘Poema gráfico’ é o meu escolhido.

  3. Luciana diz:

    Teresa, querida,
    obrigada! em dia de alma está enviesada e corpo dolorido, encontrar estes posts – os dois, tão generosamente lindos – fazem o correr do tempo mais saboroso e lembra-me de abrir a janela, esticar o pescoço e abocanhar a alegria.

  4. teresa conceição diz:

    Luciana, eu é que lhe agradeço ter aberto a sua janela para este lado.
    E que bom esse seu abocanhar da alegria. Já vou almoçar com ainda mais apetite!

  5. manuel s. fonseca diz:

    Ó Teresa, é de ir ao céu…

  6. Bernardo vaz Pinto diz:

    Gostei muito Teresa, especialmente uma página em branco que afinal é toda azul….

Os comentários estão fechados.