O homem que vai ser crucificado

Thomaskirche em Leipzig

Se alguém disser que gostava de ter estado em Leipzig há 285 anos, esse desejo está longe de ser bizantino. O que terá parecido a quem ouviu o que se ouviu na igreja de São Tomás de Leipzig há quase três séculos? A nós, o que então se ouviu continua hoje a parecer-nos da ordem do luxo. Um luxo de orquestra e vozes, de coros e solistas, a inundar uma Sexta-Feira Santa.

Há 285 anos, a 11 de Abril, ouviu-se, de Johann Sebastian Bach, o Oratório que toma como base os capítulos 26 e 27 do Evangelho segundo São Mateus encadeados com meditações não-bíblicas. Ó cabeça cheia de sangue e feridas: durante mais de duas horas a música de Bach constrói, medita, modula, num exaltante e lírico desconsolo, a torturada história do homem que vai ser crucificado.

Começa assim a mais bela via dolorosa da música ocidental.

Para terminar depois neste milagre de vozes humanas que se cruzam, numa perfeição que nos inquieta, nos transporta ao choro. Cala-se-nos na garganta um “ó meu deus salva-me” para dar lugar a um “ó meu deus que não há deus”, cientes de que a única majestade é este imenso, harmónico vazio. Uma dor cósmica.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

8 respostas a O homem que vai ser crucificado

  1. acho que em Julho de 2013, depois do Giotto, temos que fazer um desvio … (ainda bem que vamos de Autopullman)
    nunca se sabe que mais desvios faremos entretanto

  2. Rita V diz:

    O PMS é que sabe
    😀

  3. Pedro Bidarra diz:

    JS Bach, arquitecto de catedrais de som.

  4. Bernardo Vaz Pinto diz:

    A paixão de S. Mateus é uma peça indescritível que se modifica com o tempo e as circunstãncias, e surpreende sempre, ontem como hoje. Fiquei “agarrado” desde que ouvi a Aria “Erbarme dich” no filme de Tarkovsky, o Sacrifício….

    • Eneo Coelho diz:

      Não lembro se conheci primeiro o filme ou a ária, mas o “arrebatamento ” foi da mesma espécie …

  5. Ana Rita Seabra diz:

    Bach Bach, harmonia harmonia
    Sempre que oiço a Paixão S. Mateus fico arrepiada.
    É uma maravilha absoluta

  6. manuel s. fonseca diz:

    Pedro, Bernardo, Ana, thanks. Acho que com este Bach é fácil ficarmos em estado de completa comunhão.

Os comentários estão fechados.