O Início

Há quem diga que este ciclo de frescos da capela de Scrovegni, em Pádua, onde são descritas as vidas de Jesus e da Virgem Maria, é o primeiro filme da história. Foi dirigido em 1305 por um cineasta visionário chamado Giotto.

"Bacio", ou o primeiro beijo no ecrã

 

Sobre Pedro Marta Santos

Queria mesmo era ser o Rui Costa. Ou sonâmbulo profissional. Se não escrever, desapareço – é o que me paga as contas desde 1991 (são 20 anos de carreira, o disco está a sair). Há momentos em que gosto mais de filmes do que de pessoas, o que seria trágico se não fosse cómico – mas passa-me depressa. Também gosto dos olhos da Anna Calvi. E das bifanas do Vítor. Aprecio um brinde: “À confusão dos nossos inimigos”. Não tenho nenhuns, só uma ternura infinita pelo azul das árvores e o amarelo do mar. E peço: digam-me mentiras.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

10 respostas a O Início

  1. manuel s. fonseca diz:

    grande filme!

  2. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Que grande filme, que grande realizador, que grande história!!!!

  3. António Eça de Queiroz diz:

    Acho que é nesta capela que existe um Santo António do Giotto bem próximo do que ele era fisicamente: gorducho.
    Que filme fantástico!…

  4. fernando canhao diz:

    Poncio Pilatos;
    Roger Caillois;
    tradução de J. M. Sousa Nunes; nº 10 da colecção Mocho; Estúdios Cor – LIsboa; 1972

  5. Ana Rita Seabra diz:

    Lindo

  6. pedro marta santos diz:

    É pena não haver um Fundo Monetário da Tristeza que financie onze almas depenadas em visita guiada de autopullman…

    • Rita V diz:

      Tenho uma ideia:
      Fazemos um leilão público de um desenho e vamos todos
      😀
      Ninguém quer ir de avião …pois não?????

  7. pedro marta santos diz:

    Temos de criar o Fundo, Rita. Planeia-se para Julho de 2013?

Os comentários estão fechados.