Posso pedir um disco?

A Voz dos Ridículos é um programa de humor, que está no ar desde 17 de Abril de 1945. Dizem os entendidos que é o Programa mais antigo de Rádio. (O genérico do programa actual e a memória descritiva do programa aqui.)
Ouço telefonia todos os dias de manhã, no carro e depois no dia seguinte ao acordar, repete-se tudo … outra vez.

– Se houvesse mais produção nacional passavam mais música portuguesa.
Penso na pescadinha de rabo na boca que é esta desculpa!

Já me explicaram 30 vezes o que é uma playlist, mas eu sou burra! Não percebo. Ouço muitas versões más de músicas boas e sei que muita música boa fica no cd do carro ou nos pod’s, pad’s,  i’s …etc… e nos estúdios de gravação à espera de melhores dias.

E fico triste!

António Sérgio referiu-se à rádio como ” aquela magia da música que vem do éter …” no suplemento do DN de 8 de Julho de 2005.

…  do éter Hermínia Silva 1907-1993 com o Fado da Sina.

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Posso pedir um disco?

  1. teresa conceição diz:

    Rita, que giro recordar a Hermínia Silva.
    Quanto às incompreensíveis playlists, parece que não há nada a fazer.
    Resta sermos nós a procurar outros sons.

  2. Diogo Leote diz:

    Rita, também ouço radio de manhã desde os meus 12 anos. Na altura, acordava a rir com os Parodiantes de Lisboa. Lembras-te? Claro que te lembras. Agora, as notícias e o Amor É (com o Júlio Machado Vaz e a Inês Menezes) na Antena 1 e a Radar preenchem muito bem os meus princípios de manhã. E quanto ao António Sérgio, nunca o esquecerei claro. Foi ele que formou e educou o meu ouvido. Com o Rolls Rock, o Som da Frente, a Hora de Lobo e, até morrer, com o Viriato 25 na Radar. Ainda hoje me emociono a ouvir a voz dele (gravada, claro) nos separadores da Radar.

  3. manuel s. fonseca diz:

    De vez em quando gosto da Hermínia, de vez em quando não gosto da Hermínia. Com a música portuguesa acontece-me o mesmo. Às vezes quero, às vezes não quero. Tenho é de ouvir este seu A Voz dos Rídiculos… Desconhecia. É o que dá não “ter sido de cá” durante uns tempos…

    • Rita V diz:

      querido Manel, um pouco como a bebida castanha com picos.
      Primeiro estranha-se, depois entranha-se
      Uma das melhores vozes, feche os olhos.
      Talvez o reportório não tenha sido sempre feliz … mas a voz!

  4. Agora só há discos riscados. boa semana

  5. Bernardo vaz Pinto diz:

    Rita, só me lembro vagamente do “telefone toca” à noite, e depois do Rock in Stock, mas não tenho nada contra a MPP, nem contra o fado, gostei da voz,

  6. maria pereiracarvlho diz:

    Desconhecia! Acho deliciosas as suas escolhas, o seu humor a sua criatividade!

    Continue que vai muito bem!

    Maria

    – e eu que julgava que já ninguém se lembrava dos Parodiantes!

Os comentários estão fechados.