Encantamento

O sentido do encantamento – podemos também chamar-lhe a “percepção do maravilhoso” – talvez esteja na origem de zonas humanas aparentemente contraditórias, como a ciência e a religião. Também na vida do quotidiano, esquecemo-nos por vezes da origem da palavra: “admiratio” e “mirabilia”, equivalentes de “encantamento” em latim, têm raiz na palavra indo-europeia que significa “sorriso”. Faltam-nos hoje muitas coisas, mas a que mais falta faz é sorrir.

Sobre Pedro Marta Santos

Queria mesmo era ser o Rui Costa. Ou sonâmbulo profissional. Se não escrever, desapareço – é o que me paga as contas desde 1991 (são 20 anos de carreira, o disco está a sair). Há momentos em que gosto mais de filmes do que de pessoas, o que seria trágico se não fosse cómico – mas passa-me depressa. Também gosto dos olhos da Anna Calvi. E das bifanas do Vítor. Aprecio um brinde: “À confusão dos nossos inimigos”. Não tenho nenhuns, só uma ternura infinita pelo azul das árvores e o amarelo do mar. E peço: digam-me mentiras.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

7 respostas a Encantamento

  1. Escrever é Triste diz:

    E, acima de tudo, fazer rir uma mulher, querido sobrinho.

  2. Luciana diz:

    Tenho andado silenciosa, mas não menos encantada pelos tristes. Mas letras tão precisas demandam um tempo a mais de apreciação e a confissão: sorri. De leve e de lado, mas sim.

  3. Ana Rita Seabra diz:

    Sorrir é o melhor que há 🙂

  4. pedro marta santos diz:

    Já sorri com os vossos comentários. Tínhamos saudades, Luciana.

  5. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Sem esse encantamento sem essa “percepção do maravilhoso” a existência seria reduzida a números e gráficos, cinzentos e deprimentes como bem sentimos agora, nesta Europa tão racional mas que não sabe para onde vai…

  6. António Eça de Queiroz diz:

    Senti-me muito menos automático ao ler isto.

Os comentários estão fechados.