Filmes. Mulheres à beira de um ataque de nervos

Confesso que há 25 anos embirrava com os filmes de Almodóvar. Confesso: ainda hoje embirro. Um dia ele veio a Tróia, ao Festival, e vi-o ser agraciado com uma medalha pelo presidente da câmara de Grândola. Foi o verdadeiro momento “que fiz eu para merecer isto”.
Que eu me enerve é o lado para que ele dorme melhor: este Pedro conquistou tudo, o cinema espanhol, a passadeira vermelha em todos os festivais, algumas portas em Hollywood. Mas o tempo passa e vai daí tem-lhe envelhecido mal os filmes.

 Mulheres à beira de um ataque de nervos

Os filmes de Almodóvar parecem muito actuais porque mostram hoje as coisas que a classe média cultivada discutiu ontem. Como quem diz: baixa pequena-burguesia para o cinema já.

Diz Almodóvar que “Mulheres…” se inspira na “Voz Humana” de Cocteau, monólogo de uma mulher ao telefone depois de abandonada pelo amante. Só que esse instante de Cocteau começa em Almodóvar 48 horas antes. E o que em Cocteau era alusão, elipse, cambiantes, converte-se em Almodóvar em exposição, confusão, sobreposição. Enfim, está lá tudo e é como não estivesse nada. Do anúncio televisivo a Billy Wilder, Almodóvar quer ser o rei do pastiche. Há quem o leve a sério e diga que isto é a Espanha, com velhos traumas e novos costumes.

A nótula, classista, saiu na “Face”, na silly season de 89.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

17 respostas a Filmes. Mulheres à beira de um ataque de nervos

  1. Luciana diz:

    Manuel,

    aqui conquistou tudo – ou quase. Unanimidade (mas, já dizia Nelson Rodrigues sobre a unanimidade…). Não tenho rixa total, há coisas que gosto, geralmente em uma escala menor do que, dizem, deveria ser meu apreço. Ata-me, por exemplo. E mesmo esse Mulheres à beira…aprecio as cores e uma certa estridência na direção. Mas uma boa parte me cansa – e não tem melhorado com o tempo, é meio montanha-russa, tem filme que sim, filme que não.

    • manuel s. fonseca diz:

      Pois é, e sabe que até simpatizo com a figura, com a bonomia irreverente dele…

  2. Rita V diz:

    Já me ri. Deu-me vontade de o ver outra vez. Que tal organizarmos umas Cine-Soirées. Once a month? My place? Your place? Tinker, taylor, soldier, sailor!
    Bóra lá…
    Lanço aqui o repto!
    Ah! Sem pipocas claro, senão a Rexy não nos sai do colo … ah ah ah

  3. Inma diz:

    En espanha não gostamos dos filmes de Almodóvar é um “malandro”.
    Odeia Espanha e não paga impostos, tem uma SICAV ( SOCIEDAD DE INVERSION DE CAPITAL VARIABLE), só pagam 1% e eu mesmo e muitas pessoas pagamaos 17%, 20%.
    A crises só é para as pessoas mais fracas, só acontece em Espanha.

    • manuel s. fonseca diz:

      Esta parte do 1 % ficou-me atravessada. Tenho de telefonar aos contabilistas dele.

      • Inma diz:

        Para criar uma SICAV precisa de mais de 2.000.000 de €.
        En Espanha o Sr. Arenillas é o chefe das SICAV.

        O Sr. Arenillas é o marido de uma mulher que foi ministra com o tolo e parvo de Zapatero, então como bom socialista: ” lo mio, mio y lo de lo demás a medias” é o que dezimos em Espanha.

  4. Margarida diz:

    Almodóvar é daqueles casos que se ama ou se odeia, sem meias tintas! Claro que uns filmes são melhores que outros, mas também é assim com W.Allen, B.de Palma, F.F.Coppolla… e até o grande FT! Há comparação entre Beijos Roubados e O Último Metro?

    • manuel s. fonseca diz:

      Não sei, não sei, Margarida… Já gosto de alguns Woody (Match Point, por exemplo) tal como já há alguns Coppola de que não gostei nada ou quase nada… E vou-lhe ser franco: diverti-me com a marginalidade de Que He Hecho Yo para Merecer Esto. Foi a dizer este título completo que acertei o meu sotaque madrileño a falar espanhol.

  5. MJC diz:

    Deste filme só retenho uma imagem: a de uma mulher vestida de vermelho algo carrancuda. Isto porque além do feitio também era a cara chapada da namorada de um amigo eheheh Do resto não lembrava mais nada. Também me fartei de rir a ver isto. Nem destas cenas lembro para além, claro da mulher vestida de vermelho 🙂

  6. ~CC~ diz:

    “Habla com ela” é um dos filmes da minha vida :)…Por acaso não amo nem odeio, vou variando nessa escala…o último não me dei ao trabalho de ir ver porque para brincadeiras com cientistas/médicos obssessivos já me chegam as séries da FOX. Bom, se ele não paga impostos é mais esperto do que eu pensava…é que os meus serviram para o Estado comprar o BPN!
    ~CC~

  7. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Hable con Ella é talvez o melhor , para mim. E Caetano pesa pela sua extraordinária performance…Agora melhor que tudo é pagar 1%… Isso sim é verdadeira arte!!!!

Os comentários estão fechados.