Malia

O CD apareceu sem eu perceber bem como, nem porquê. A AR comprou porque alguém lhe terá falado. Um CD de capa escura,  preto e branco quase azulado.

Distraidamente vou ouvindo, momentos que passam a olhar o dia que corre na luz da janela. A voz vai conquistando, aos poucos, o ouvido, e todo um suave sentimento se relança no reconhecer de uma melodia, cada vez mais familiar. É uma voz melosa, segura e contínua. Negra.

Chama-se Malia, e deixo-vos com The Little Black Bird, deste CD, que se intitula Young Bones.

Para quem puder, parece que anda por essa Europa fora a lançar o seu álbum de 2012 Black Orchid, um álbum de tributo a Nina Simone.

 

 

Sobre Bernardo Vaz Pinto

Não conseguiria nunca ser bailarino actor ou cantor sem aquela coragem segura que lhes permite não desfalecer sob os olhares escondidos de qualquer audiência. Prefiro esconder-me sob uns traços gordos de um lápis de lâmina macia, em fundo branco de papel, acarretar a velocidade lenta de uma qualquer construção que se faz colocando pedra sobre pedra. Ou passar tempo a decifrar, agora por detrás destes óculos de vidro, caligrafias de ficção e poesia, que acabam por aparar a nossa existência, e até moldá-la, abrindo portas a novos sonhos e realidades que não vislumbrávamos até à data. A música. Negra, principalmente riscada nos pântanos de new orleans, e no fumo gelado do south side de chicago. O jazz num solo de Baker, o Miles de pés e mãos marcadas pelo tempo e pelos abusos num concerto em Tokio onde a língua falada era mesmo a música. E Bach. E sempre Bach. De resto, pouco mais, entre a vontade de sonhar a vida e o sonho de vivê-la. O olhar da estrada que passou que ilumina o caminho incerto do futuro. A vontade de expelir para fora o ar que nos fica preso cá dentro.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

8 respostas a Malia

  1. Diogo Leote diz:

    Mais uma boa voz-de-companhia. Aposto que se trabalha melhor a ouvi-la.

    • Bernardo Vaz Pinto diz:

      Trabalha e pensa-se melhor! E é bom ter a música, e esta também, como companhia.

  2. manuel s. fonseca diz:

    Que bonita voz. A esta Malia tem de se amália.

    • Bernardo Vaz Pinto diz:

      É uma Amália meia inglesa meia malawiana que canta fados em “blue e soul”…

  3. Teresa Conceição diz:

    Que bem trazida para aqui. Bernardo! Gostei muito.

    • Bernardo Vaz Pinto diz:

      Ainda bem que gostou! Para quem prefere viver a vida com a companhia da música, há que descobri-la dia apos dia…

  4. Rita V diz:

    … e o som , muito bom!

  5. Ana Rita Seabra diz:

    Decobri esta voz para oferecer ao José Maria (que chamo por Malia), achei graça a coincidência. Mas para não arriscar ouvi o CD primeiro e encantou-me logo 🙂

Os comentários estão fechados.