Num dia triste … no mar

sem legenda

 

 

 

 

 

 

 

Aqui na Orla da Praia
Fernando Pessoa

Aqui na orla da praia, mudo e contente do mar,
Sem nada já que me atraia, nem nada que desejar,
Farei um sonho, terei meu dia, fecharei a vida,
E nunca terei agonia, pois dormirei de seguida.

A vida é como uma sombra que passa por sobre um rio
Ou como um passo na alfombra de um quarto que jaz vazio;
O amor é um sono que chega para o pouco ser que se é;
A glória concede e nega; não tem verdades a fé.

Por isso na orla morena da praia calada e só,
Tenho a alma feita pequena, livre de mágoa e de dó;
Sonho sem quase já ser, perco sem nunca ter tido,
E comecei a morrer muito antes de ter vivido.

Dêem-me, onde aqui jazo, só uma brisa que passe,
Não quero nada do acaso, senão a brisa na face;
Dêem-me um vago amor de quanto nunca terei,
Não quero gozo nem dor, não quero vida nem lei.

Só, no silêncio cercado pelo som brusco do mar,
Quero dormir sossegado, sem nada que desejar,
Quero dormir na distância de um ser que nunca foi seu,
Tocado do ar sem fragrância da brisa de qualquer céu.

Fonte: Pessoa, F. 1980. O Eu profundo e outros Eus, 21a edição. RJ, Nova Fronteira.

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

5 respostas a Num dia triste … no mar

  1. Um triste dia da vida! O sombreado negro da dor.

    Cristina Carvalho

  2. ~CC~ diz:

    Tão bonita esta homenagem, aquele sorriso de menino…que tristeza.
    ~CC~

  3. Benvinda Neves diz:

    como diz o povo quando chora “só os bons é que morrem”…
    Bonita homenagem, acompanhada com uma das suas belissimas interpretações. No meu sentir, tão bela quanto triste esta música.

  4. Ana Rita Seabra diz:

    O poema é lindo.
    O filme é triste e a música também, mas é de uma grande beleza
    A vida é um mistério e a morte é outro

Os comentários estão fechados.