Um sofrimento schopenhaueriano

Por fim, uma certeza: que desperdício e vaidade é querer ser feliz. Se há um exaltante sentido para a vida é o de não se ser demasiado infeliz.
Só tenho uma dúvida: não sei se acordei assim ou se é assim que me vou deitar.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

8 respostas a Um sofrimento schopenhaueriano

  1. Rita V diz:

    sonho feliz …

  2. manuel s. fonseca diz:

    Já dizia o outro: nos sonhos começam as responsabilidades.

  3. Panurgo diz:

    Isso dura até ao próximo vinho de Nápoles, ao bom estilo schopenhaueriano.

  4. Poderás matar dragões, espanta o sofrimento, e melhora o mundo.

    • manuel s. fonseca diz:

      Ou será espantar o mundo e melhorar o sofrimento? A matar dragões só pode.

  5. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Acordar infeliz para se deitar feliz, sonho após sonho…

Os comentários estão fechados.