A mulher culpada

Edward Hopper, Summer Interior (1909)

 Esta mulher, no interior do Verão, é culpada. Terrivelmente culpada. Tem de pagar. Sinto uma descontrolada vontade de fazer justiça pelas minhas próprias mãos.

Hopper pintou esta tela, em 1909, com uma mão europeia e impressionista.
Viajou três vezes a Paris, entre 1906 e 1910.
Pintou-a em Paris ou num dos regressos? É um ciúme francês que derrama a mulher pelo chão ou é antes o saciado abandono nova-iorquino de quem não se arrepende nem do mais ilegítimo dos prazeres?

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

10 respostas a A mulher culpada

  1. Rita V diz:

    é devagar que a terra roda … e
    a sua amiga,
    está apenas a olhar
    para o tempo que o sol
    leva a passar
    olhe lá bem para a janela aberta
    que deixa o sol entrar!

    • manuel s. fonseca diz:

      Assim, absorta, vendo como passa devagar a luz que ainda há pouco, como um relâmpago, a feriu e atravessou…

  2. Panurgo diz:

    Justiça pelas próprias mãos? Não o sabia com talento para a depilação, mas alguém te de libertar a moça de uma culpa daquelas, lá isso.

    Coragem…

  3. manuel s. fonseca diz:

    Never! Sem essa preciosa ajuda ainda hoje não saberia de cor os Estados brasileiros…

  4. O que parece é que não lhe pagaram, o cliente ir embora sem pagar dá cabo da economia do sexo.

    A melhor interpretação de Hamlet (está um pouco abreviado) e não digas que aquele canastrão inglês ou a família Fairbanks faziam melhor:

  5. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Pelo número de viagens a Paris, a Mulher deve ser francesa, mas a memória vem de Nova York, a pintura do mestre….

  6. pedro marta santos diz:

    Triste Verão é o amor.

Os comentários estão fechados.