As Ilhas Desconhecidas

texto do António, declaração de amor rasgada a basalto no tronco de uma criptoméria, deixou-me azul de saudades. Azul, roxo, violeta e rubro. Memórias de memórias que se fizeram minhas mas que são sobretudo as dos piratas que são de mim. Verões verdes e negros, que foram do Minho mas que há muito foram ancorar-se, por artes mágicas que eu cá sei, no tecto do Mundo. Agosto está já aí e o tempo, não tarda, vai voltar a nadar de costas.

O Pico, avistado da Terceira, com S. Jorge de permeio.

O Pico ao entardecer, avistado do Faial.

“Isto que de longe era roxo e diáfano, violeta e rubro, conforme a luz e o tempo, aparece agora, à medida que o barco se aproxima, negro e disforme, requeimado e negro, devorado por todo o fogo do inferno. É um torresmo. (…) Esta ilha – a maior dos Açores – é negra até às entranhas, na própria terra, na bagacina das praias, no pó das estradas, nas casas, nos campos divididos e subdivididos por muros de lava, nas igrejinhas das aldeias, requeimadas e tristes.”

Raul Brandão. As Ilhas Desconhecidas.

Ilhéu deitado, Ilhéu em pé. Pico ao cair da noite.

 

Sobre Pedro Norton

Já vos confessei em tempos que tive a mais feliz de todas as infâncias. E se me disserem que isso não tem nada a ver com tristeza eu digo-vos que estão muito, mas muito, enganados. Sou forrado a nostalgia. Com umas camadas de mau feitio e uma queda para a neurose, concedo. Gosto de mortos, de saudades, de músicas que nunca foram gravadas, de livros desaparecidos e de filmes que poderiam ter sido. E de um bom silêncio de pai para filho. Não me chamem é simpático. Afino.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

17 respostas a As Ilhas Desconhecidas

  1. António Eça de Queiroz diz:

    Que maravilha de fotos, Pedro!
    Agora faz-me confusão aquela foto do Pico «visto do Faial com S. Jorge de permeio»…
    Talvez a partir da Graciosa, porque do Faial a ilha de S. Jorge fica atrás do Pico.
    Serão sempre desconhecidas estas ilhas, mostram sempre algo de novo, é bem verdade.

    • Pedro Norton diz:

      Pois claro que faz confusão. Foi da Terceira que o avistei assim. Obrigado. Está corrigido.

  2. rita vaz pinto diz:

    Que fotografias! Foi das coisas bonitas que tive oportunidade de ver. Nunca tirei fotografias assim mas está tudo aqui dentro da minha cabeça, bem guardado. Quando voltarei? Não sei. Mas enquanto não vou agarro-me a estas memórias e perco-me naquele sonho de cores únicas.

  3. MJC diz:

    Excelentes!

  4. Ana Rita Seabra diz:

    Que maravilha esta tua declaração de amor e as fotografias sem palavras…
    Para quem não lá esteve é bom poder ver aqui

    • Pedro Norton diz:

      e não querem vir? e olha que ainda não falei nas lapas grelhadas à beira-mar

  5. Pedro Bidarra diz:

    Cheira tanto a verão este blog.

  6. manuel s. fonseca diz:

    Coisas que nem o mar tapa…

  7. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Cheira a mar misturado com terra negra…e parecem “Turners” em cores diluídas…

  8. pedro marta santos diz:

    Fiquei ainda com mais vontade de visitar, senhor engenheiro.

    • Pedro Norton diz:

      não precisas da minha autorização, mas que gostava de ter ver por lá a beber o teu espumante, ó se gostava!

Os comentários estão fechados.