Metade de um ano

metade escrita de um ano

Se olhar para “o ano”, vejo metade do ano cheio e metade do ano vazio. Os meus Tristes não se lembraram – a não ser a minha Rita que de tudo se lembra e tudo ao ouvido me sopra – mas no passado dia 14, ao olhar para “o ano”, vi que metade do ano estava cheia com 666 posts publicados e 6.500 comentativos comentários que fazem deste blog um salão de chá.
Dizem-me alguns dos meus Tristes, os mais experimentados, os que já levam uma longa vida de devassidão e promiscuidade , que é assim em todos os blogs. Eu digo-lhes que não, que não é assim, porque não há posts nem comentários tão Tristes como os que aqui se escrevem. Debaixo da asa de Drummond, do seu sovaco tropicalista, bem sabemos que Escrever é esse tempo terrível em que enfiamos o sumptuário traseiro na confortável cadeirão (tudo gente rica), os olhos na nervosa luz de um ecrã, freio metido à boca do coração para que ele não saia, desabrido, porta fora à procura do vento, do sol, da chuva e, conforme os gostos, de mulheres a arder na madrugada ou desses nocturnos heróis a que chamamos homens.
O Escrever é Triste escreveu a metade de um ano: seis meses do que há-de ser “o ano” de parabéns. E quando olhei bem para “o ano”, vi que luzia nele uma nova centelha de Tristeza: a outra metade de “o ano” estava limpa, vazia, numa espera azul e atónita de que tudo se diga de tudo o que há para dizer.
Se sou a Escrever é Triste, então sou a metade escrita e a metade em branco que faz o júbilo do inteiro, primeiro ano.

a metade azul, atónita, de tudo o que há para dizer

Sobre Escrever é Triste

O nome, tiraram-mo de Drummond. Acompanho com um improvável bando de Tristes. Conheço-os bem e a eles me confio. Se me disserem, “feche os olhos”, fecharei os olhos. Se me disserem, “despe-te”, dispo-me.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

20 respostas a Metade de um ano

  1. Oh! my Dog! O que seria se houvesse mais metades…
    Lol

  2. Ana Rita Seabra diz:

    Para além de Triste, saiu-me uma bela acrobata 🙂

  3. Oh, tia deles! Mesmo que escrever seja triste por impedir a conjugação de outros verbos, lá diz Drummond, não impede, antes impele, a conjugação do verbo comentar. Muito gostei deste aniversário, tia deles, e do texto que o celebra.

    • escrever é triste diz:

      Priminha Ivone, nem é bem um aniversário, só um pretexto para fatiar o pão-de-ló. Guardei-lhe uma fatia.

  4. Pedro Bidarra diz:

    Agora é um instantinho. A segunda metade do ano é mais fácil porque é sempre a descer

  5. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Que bela evocação, e um bom pretexto para se passar a celebrar o ano duas vezes…

  6. manuel s. fonseca diz:

    A Querida e aniversariante Tia diga-me, aquilo da longa vida de devassidão era só com o PN ou eram tiros para mais cabeças? E, já agora, atónito fiquei eu de a ver escrever à máquina: qual sumptuário traseiro, qual nada!

    • Escrever é Triste diz:

      Dou-lhe a devassidão, dou! mas que acusa cristos o menino me saiu. Anda uma pessoa a querer elevar o nível da conversa por alturas de Kilimanjaro e tinha de aparecer a sua falha tectónica.
      Mas, olhe, ainda bem que gostou do cache-sex. Era disso que queria falar, não era? Está a ver, já está despachadinho, já se pode ir deitar satisfeito. Caminha, lindo sobrinho.

  7. Maracujá diz:

    Tenho tido o divertido prazer de durante os últimos meses, noite após noite partilhar a minha cama com todos os seus sobrinhos!
    Isto aqui está sempre ao rubro e o que mais adoro são mesmo as cambalhotas de ócio criativo que me fazem dar!
    Ui Tia deles!
    Indiscretamente peço-lhe não deixe os seus meninos sairem daqui…

  8. Panurgo diz:

    Soubesse eu que a Tia tinha tanta ginástica e chamava-lhe mamã…

    • escrever é triste diz:

      Ó meu tão acrisolado Panurgo, de chupetinha ainda? Já não o via na fase oral.

  9. Escrever é triste?
    Sim, por vezes é.
    Mas e quando a noite é um mau sítio para se escrever?
    Pode começar por dar isto: http://calhau-com-olhos.blogspot.pt/2012/06/noite-e-um-mau-sitio-para-se-escrever-1.html?spref=fb

    Obrigado.
    AL

  10. escrever é triste diz:

    A noite é a casa da Tristeza (o dia a nossa varanda, bem entendido). Escreva, escreva sempre, estimado António Luis. Parabéns pelas sua fotos.

  11. pedro marta santos diz:

    Ó tia, não há dúvida que tem amigas versáteis.

Os comentários estão fechados.