Amigo

O fim de festa trouxe Milton Nascimento a Lisboa. A ‘Canção da América’ (Milton Nascimento e Fernando Brant) comove-me sempre que a ouço.

Com a Orquestra Metropolitana de Lisboa, Carminho, Ana Moura e António Zambujo

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

20 respostas a Amigo

  1. GRocha diz:

    Adoro essa canção na voz da Grande Elis Regina!!! 🙂 e sempre achei a letra lindíssima!!

  2. Nina diz:

    Tocante…paralisante.

  3. Ana Rita Seabra diz:

    Rita, a mim comove-me sempre! Vieram-me as lágrimas aos olhos!!

  4. Cristina Santos diz:

    Pois é, eju também estive lá no espetáculo. A canção da América tem tudo a ver com a época que o Brasil vivia, uma ditadura militar..e ele fala de amigos que se vão para não sifrerem torturas ou represárias.

    • Rita V diz:

      Também li uma versão mais ‘light’ sobre a letra.
      O Milton canta esta canção como ninguém. Pode ser ‘calistice’ mas sinto os amigos que estão perto e longe cada vez que a ouço.
      Também não acredito que possa haver amor sem amizade.
      🙂
      Cristina obrigada pelo seu comentário.

  5. Natália Gonçalo diz:

    Já que “Escrever é Triste”, é bom lembrar que esta belíssima composição também é ouvida em cerimónias tristes, como quando, por exemplo, a morte apanhou desprevenido, numa curva, o jovem piloto Ayrton Senna.
    A despedida é sempre um momento triste, mas menos amarga quando a separação está apenas a algumas horas de distância…
    Também me emociono muito sempre que a ouço!
    Como com o “Requiem”, de Mozart!

    • Rita V diz:

      Cara Natália dos mesmos autores e a propósito, uma bela versão de Encontros e Despedidas. Obrigada pelo comentário.

  6. Benvinda Neves diz:

    E ainda sobre “AMIGO”…

    “A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objecto dela se divida em outros afectos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade. E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meu amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos. Até mesmo aqueles que não percebem o quanto minha vida depende de suas existências (…) E às vezes, quando os procuro, noto que eles não têm noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida. Se um deles morrer, eu fico torto para um lado. Se todos eles morrerem, eu desabo.” (Vinícius de Moraes)

  7. Nina diz:

    Estranho….nenhum dos opinadores habituais masculinos escreveu sílaba! Ter-se-iam emocionado até às lágrimas ?
    Ai!

  8. Panurgo diz:

    Choramos, sim. Se colocar o desempate por grandes penalidades do último Portugal-Espanha é choradeira até ao Outono.

  9. sem-se-ver diz:

    sim. mas ter começado com o ‘caçador de mim’ é que me matou.

Os comentários estão fechados.