Momento calista iv

À volta do Pavilhão Dramático de Cascais o COPCON e a polícia de segurança pública garantiam a ordem, numa noite que fez parar Cascais.

Mas Março de 1975 não foi só o mês dos Genesis.

Poucos dias depois do concerto dos Genesis, Spínola e mais 18 oficias fogem para Espanha depois da tentativa abortada de golpe de Estado. A Banca é nacionalizada e a Bolsa fecha. A Junta de Salvação Nacional que tinha assumido o poder no 25 de Abril de 1974, é substituida pelo Conselho da Revolução. Costa Gomes é o Presidente e o 4º Governo Provisório é chefiado por Vasco Gonçalves.

37 anos depois ouço os Genesis com a mesma alegria, o Verão parece aquecer … mas já ninguém pára!

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Momento calista iv

  1. MJC diz:

    Poisssss …. eu era para ir mas por causa da situação os meus pais “prenderam-me”. Valeu-me de pouco bater o pé porque caiu-me um tabefe em cima que ainda hoje lembro, eheheheh

    Óh Rita estava a ouvir o vídeo que colocaste e de repente achei que estava a ouvir estes. Fiquei baralhada!!!! Que coisa tão esquisita 😉

  2. MJC diz:

    aiii ficou o link pendurado entre o copy ““^^^ e o ^^^^^^ past

  3. G.Rocha diz:

    essa baralhação toda foi do “tabefe” lolololo 😛 :O

    Eu ainda era uma criança em Março de 1975: 3 anos e dois meses…. :S

  4. Isabel Rocha e mello diz:

    Maravilha de noite, emoção pura…..era tudo proibido e a transgredir começava a fazer sentido!!!! Que bom….havia um ideal and for me still and always the carpet crawlers need their colours…..you’ve got to get in to get out…..

  5. Benvinda Neves diz:

    Para mim os concertos no Dramático começaram uns anitos mais tarde, quando as nossas bandas de rock nacional acordaram.
    Era a loucura total, com nuvens de “anestesiante” desde a altura do pescoço ao topo dos pavilhões, que se enchiam de gente, musica e fumo.
    Ainda hoje me pergunto onde íamos buscar tanta pedalada…

Os comentários estão fechados.