O adepto cansado

Iam os anos 80 a meio, lembro-me do Luis de Pina, boavisteiro de todos os costados, que muito estimei como director da Cinemateca, me contar a história de um possante avançado de 2ª divisão que, num jogo da Taça que terá sido o jogo da vida dele, enfiou 3 golos ao Boavista. Os despachados dirigentes axadrezados contrataram-no. Para funda decepção dos adeptos, no Bessa, nem nos treinos o homem revelava um atómo, um bosãozito sequer, do que no glorioso match fizera.

Um dos espectadores, carregando azedo o insuportável agravo, corria para cima e para baixo, ao longo da bancada, sempre em cima do jogador e sempre a gritar, “Anda, Monte”, “Corre, Monte”, “Chuta, Monte”. Já cansado, um adepto intervem: “Ó Senhor deixe o homem, carago. E o homem nem se chama Monte… Monte, Monte o quê?” O outro, em fúria: “Monte de merda, senhor, que é o que ele é.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

6 respostas a O adepto cansado

  1. G.Rocha diz:

    LOLOLOLOLOLOL já me dói tudo de rir tanto 🙂
    magnifica esta historia 🙂

  2. Panurgo diz:

    Isto são férias? Não se consegue desligar das grandes questões do mundo: a bola, as boazonas do cinema, os livros… descanse, homem!

    Esta história enternecedora lembrou-me o primeiro jogo de bola a que assisti, o Sporting-Guimarães em 1995, na Superior Sul, que nunca esquecerei. Pelo golo do Sá Pinto, memorável, de calcanhar, e por ter ouvido pela primeira vez na minha vida alguém usar todos os recursos que a língua portuguesa nos oferece, ao chamar a algum jogador do Vitória que atrasava a reposição da bola em jogo, “Seu filho dum comboio de putas”.

  3. Ana Rita Seabra diz:

    hehehehehehehe!!! A minha gargalhada ouve-se a kilómetros 🙂

  4. Sucede a muitos jogadores, exceto aos que vão para o FCPorto, parece que por lá tiram os bichos às maçãs.

  5. manuel s. fonseca diz:

    Obrigado pelos comentários. É verdade Panurgo, estou de férias, mas com a minha disciplina germânica deixei tudo escrito para duas semanas… Em Agosto sim,voltará a ser ao vivo e a cores… Divirtam-se.

  6. pedro marta santos diz:

    Essa do comboio de putas faz-me lembrar um dos melhores insultos que ouvi na minha vida, ali para os lados de Vizela: “Só não sou teu pai porque a tua mãe não tinha troco de vinte escudos”. O meu querido Boavista, do qual o meu avô era o sócio nº 101, tinha um avançado no início dos anos 70, o Salvador, que era uma pequena máquina. Ninguém dava nada por ele, mas marcava golos como um verdadeiro Yazalde. Brilhou na época de 71/72 em que o Boavista ficou no 2º lugar, a 3 pontos dum tal Benfica. Era a época em que o Benfica dominava o lendário “sistema”, antes de os portistas se apoderarem do dito. Parece que a roubalheira foi tanta que o Boavista perdeu o título na penúltima jornad com uma aldrabice de arbitragem do tamanho da antiga Luz. Claro que da história só rezará a recente descida de divisão (a Memória hoje não dura mais do que quinze dias). Nessas duas épocas de arranque dos anos 70, o Boavista ganhou duas Taças de Portugal, treinado por um desconhecido chamado José Maria Pedroto .

Os comentários estão fechados.