Um homem caminha para a mais escura noite

Grande Cristo, um bocadinho hesitante entre Pilatos que não o acusa e a Crucifixão que o chama. Não sei se é o que retira os pecados do mundo. Olha-se e vemos apenas um homem. Tem sobre a cabeça toda a honra e toda a glória de um sol dourado, mas à sua volta só a desesperança da escuríssima noite donde vem. Ou é para lá que vai?

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

4 respostas a Um homem caminha para a mais escura noite

  1. Mafalda Bárbara Mattos da Costa diz:

    Só mesmo uma espécie que tem o código genético inferior ao da espiga de milho ou do tomate – já comprovado pela ciência – precisou criar um semelhante que pudesse ser responsabilizado por seus erros e sucessos. O que está ao seu lado não serve nem o satisfaz, o que passou é lamentado e o que virá é planeado como se fosse a mais absoluta verdade. E Ele, Amado símbolo de uma força interior que não sabemos usar, se transforma no ícone maior, na tão esperada luz que trará as soluções para as próximas noites.

  2. Panurgo diz:

    “e vemos apenas um homem”. O milagre é precisamente esse. É coisa que nunca se viu muito, meia dúzia deles, talvez, contas por alto.

  3. Bernardo Vaz Pinto diz:

    É uma pintura que arrepia, um Homem que significa toda uma Humanidade na luta contra a escuridão…

Os comentários estão fechados.