该红宝书)

um combativo exemplar

Não sei se as estatísticas estão actualizadas, mas, a seguir à Biblia, o “Pequeno Livro Vermelho”, do velho bonzo Mao, era o livro mais vendido do mundo. Citacionista e citável,  prenhe de infalível sabedoria aforística, tive vários e combativos exemplares e em duas línguas, português que terei comprado em Lisboa e francês, essa língua revolucionária, que devo ter surripiado em Luanda.

infalível sabedoria aforística

Bem gostava de saber onde é que páram esses meus petit livres rouge do Grande Líder. Correram comigo Seca e Meca, o que meteu Grenoble (se calhar foi aqui que arranjei o francês), Lisboa, Luanda e Lobito, no mínimo.

o prédio subversivo

E ficaram lá, no Lobito, apartamento do Terreiro do Pó, em frente ao prédio onde às vezes estacionava Savimbi, quando no meio da Guerra Civil angolana tive (ó, as justas contradições no seio do povo) de desandar para Luanda. Se bem me lembro, quando voltei ao Lobito, ao meu apartamento de jovem professor subversivo, depois da derrota do galo negro e dos carcamanos, encontrei na rua, à porta do Chá Para Dois,  o 2 CV queimado e, subindo as escadas que o elevador já não tinha préstimo, o chão do apartamento sem tacos (que terão cumprido a humanitária missão de aquecer o jantar a quem tinha fome): salvo, solitário, já impotente para a educação e treino das massas, o envergonhado livrinho a um canto da sala. Foi a última vez que nos olhámos com uma réstea de ternura.

uma réstea de ternura

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

6 respostas a 该红宝书)

  1. Margarida diz:

    Quando eu for á China compro-lhe um, dizem que se vendem como souvenir em qualquer rua de Pequim. Vê que eu ainda digo Pequim? Se calhar, já sou eu própria um souvenir!

  2. Rita V diz:

    o encarnado visto com olhos de mel e ainda há pouco tempo fiz um desenho a que chamei «mel vermelho»

  3. Carla L. diz:

    Dos chineses só passei os olhos pelo livro de um tal Imperador Amarelo.

Os comentários estão fechados.