A mesma cara

E se for pedir muito que seja – pedir muito nem sequer é pedir tudo! O muito que peço é que, agora que já não posso ter a mesma cara que tive quando tive a inabalável certeza de que o mundo era meu, só meu, tenha pelo menos o mesmo incendiado olhar.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

3 respostas a A mesma cara

  1. nanovp diz:

    O olhar incendiado marca a cara toda Manuel, por isso é capaz de conseguir mais do que imaginava…

  2. Ruy Vasconcelos diz:

    mas olha quem fala. ladino com és, manel, devias era ceder um dos olhos para ser repartido entre a tia e nossotros. que andamos, quase sempre, mais tristes e menos inspirados.

  3. fernando canhão diz:

Os comentários estão fechados.