Coisas que a pessoa pensa (2)

Julgamentos superficiais, e primeiras impressões, são normalmente subavaliados. Na minha experiência estão mais vezes certos que errados

Sobre Pedro Bidarra

As pessoas vêm sempre de algum sítio. Eu vim dos Olivais-Sul, uma experiência arquitecto-sociológica que visava misturar todas as classes sociais para a elevação das mais baixas e que acabou por nos nivelar a todos pelo mais divertido. Venho também da Faculdade de Psicologia da clássica, Universidade Clássica de Lisboa onde li e estudei Psicologia Social e todas as suas mui práticas teorias. Venho do Instituto Gregoriano de Lisboa onde estudei os segredos da mais matemática, e por isso a mais emocional e intangível de todas as artes, a música. E venho sobretudo de casa: de casa das duas pessoas mais decentes que até hoje encontrei; e de casa dos amigos que me ajudaram a ser quem sou. Estes foram os sítios de onde parti. Como diz o poeta (eu): “Para onde vou não sei/ Mas vim aqui parar/ A este triste lugar.”
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

8 respostas a Coisas que a pessoa pensa (2)

  1. Rita V diz:

    … de acordo.

  2. Manuel S. Fonseca diz:

    também no amor, caro PB. Há um poema, creio que da Christina Rossetti, sobre a primeira vez da mão na mão, de quem quereria lembrar-se mais, muito mais, desse primeiro toque, e dessa primeira impressão que o tempo desvaneceu…

  3. Teresa Conceição diz:

    Outra curiosidade, Pedro, é confirmar essa impressão bastante tempo mais tarde.

  4. Teresa Conceição diz:

    Manel, mas quando no amor se desvanece o que se deveria avivar…onde fica a força da primeira impressão? o at first sight?

  5. Natália diz:

    (…) e no entanto, levamos anos a esquecer alguém que apenas nos olhou (…)!
    José Tolentino de Mendonça

    Não é uma primeira impressão.
    Deverá ser uma impressão única!

Os comentários estão fechados.