Coisas que a pessoa pensa (4)

A prostituição é uma instituição responsável pela boa saúde de muitos casamentos. Já affairs não pagos são os grandes responsáveis por muitas separações.

Sobre Pedro Bidarra

As pessoas vêm sempre de algum sítio. Eu vim dos Olivais-Sul, uma experiência arquitecto-sociológica que visava misturar todas as classes sociais para a elevação das mais baixas e que acabou por nos nivelar a todos pelo mais divertido. Venho também da Faculdade de Psicologia da clássica, Universidade Clássica de Lisboa onde li e estudei Psicologia Social e todas as suas mui práticas teorias. Venho do Instituto Gregoriano de Lisboa onde estudei os segredos da mais matemática, e por isso a mais emocional e intangível de todas as artes, a música. E venho sobretudo de casa: de casa das duas pessoas mais decentes que até hoje encontrei; e de casa dos amigos que me ajudaram a ser quem sou. Estes foram os sítios de onde parti. Como diz o poeta (eu): “Para onde vou não sei/ Mas vim aqui parar/ A este triste lugar.”
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

4 respostas a Coisas que a pessoa pensa (4)

  1. A instituição prostituição, entre algumas nefastas consequências (há quem gaste o dinheiro que tem e o que não tem), tem também indiscutíveis méritos. Entre eles, também não tenho dúvida, a boa saúde de muitos casamentos, como tu o dizes, e em geral a saúde mental de muita gente que por aí anda e que se agarra a ela para ter um mínimo de auto-estima. Já é altura de o Estado perder complexos de chulo e promover um debate alargado sobre se deve ou não legalizar-se a mais velha profissão do mundo.

    • Pedro Bidarra diz:

      Parece que o Salazar era a favor e que só proibiu a coisa pressionado pelos grupos de mulheres católicas nos anos sessenta. Antes parece que a prática estava regulamentada. Vou ter que investigar

  2. Há uma discussão académica sobre a mais velha profissão do mundo, há quem diga que é a política. A questão é: serão os políticos, ou suas mães?

Os comentários estão fechados.