Inconclusões

Difícil é esquecer o não vivido. Para o resto basta o tempo.

Sobre Ivone Mendes da Silva

Entre lobos e anjos me habituei a escrever. É talvez por isso que, para além de asas e de uivos, as palavras me tropecem e não encontrem sozinhas o caminho das folhas. Nessas alturas, peço para elas a bênção da tristeza, musa de sopro persistente, que triste me faz e a acolhedoras mesas me senta.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

22 respostas a Inconclusões

  1. curioso (qb) diz:

    impossível mesmo. inevitável e curativo. senta-se bem 😉

  2. Maria Lima diz:

    …so isso lamento, sem prantos nem dramas, mas lamento! .¤.(̆̃̃.¤.
    .¤.(̆̃̃.¤.

  3. Pedro Norton diz:

    Ivone, subscrevo sem reservas a primeira frase. Tenho dúvidas sobre a segunda. Há dores que o tempo nao apaga nunca.

    • Ivone Costa diz:

      Pedro, claro. O perigo dos aforismos é nunca conseguirem a amplitude que se lhes queria dar.

  4. GRocha diz:

    sem dúvida!!!

  5. Manuel S. Fonseca diz:

    O arrependimento pelo que não fizemos é insuportável, a dor do que já está feito aguenta-se bem.

  6. Pedro Bidarra diz:

    Será que os outros bichos também alguma forma de arrependimento ou é coisa que apareceu só com a invenção de Deus?

    • Ivone Costa diz:

      Ora, Pedro, se eu soubesse responder-lhe estaria a ensinar Teologia em Paris, como o dizia Guilherme de Baskerville. 😉

  7. Rita V diz:

    o desejo prega partidas

  8. Maria João Freitas diz:

    Ivone,
    Este seu belo pensamento (automático?) deixou-me incapaz de tirar uma conclusão definitiva sobre a sua validade. O título foi mesmo muito bem escolhido.

  9. Ruy Vasconcelos diz:

    putz. na mosca!
    eu, p. ex., tenho uma terrível queda por actrizes e cantoras que só vejo à distância…e confesso que só uma vez isso teve remédio. mas, no caso, talvez fosse mais recomendável o platonismo e os sonetos.

  10. Voyons, monsieur, o platonismo é sempre recomendável quando o objecto envolva algum perigo porque a distância, que como muito bem sabe é afrodisíaca, cria muitas vezes erros de percepção.( (Estou a dizer disparates. Obrigada, Ruy, pela mosca.)

  11. Maria do Céu Brojo diz:

    Nem sempre a borracha do tempo é eficaz. Porém, antes desgosto no vivido que desgosto por adiar a existência.

  12. Nem mais, Maria. O não vivido tem um peso dos diabos.

Os comentários estão fechados.