Miss Isinbaeva

Há males que vêm por bem. Neste caso, o mal de Elena Isinbaeva foi o de ter ganho apenas uma medalha de bronze na sua disciplina (o salto à vara) em Londres, depois de ter sido campeã olímpica em Atenas 2004 e Pequim 2008 (e depois de, convém recordá-lo, ter batido o recorde do mundo, que continua seu, por 28 vezes). Se triunfasse em Londres, seria a primeira mulher a ganhar o ouro em três edições dos Jogos Olímpicos. Não chegou lá.

Mas ainda bem, digo eu. É que Isinbaeva já tinha data marcada para a sua retirada. Seria em 2013, nos Mundiais que se disputarão no seu país natal, a Rússia. Seria, mas não será. Isto porque, não tendo saído de Londres com o ouro na mão, já veio dizer que o quer recuperar no Rio de Janeiro, nos Jogos de 2016. Boa notícia, pois, para os apreciadores dos extraordinários atributos da campeã. Para quem duvide dos atributos, faça favor de espreitar a amostra que aqui vos deixo. Espreitem, sim, mas não os mostrem, por favor, a sauditas, afegãos ou iranianos, não vão as respectivas mulheres (que, por enquanto, andam clandestinas pelos Jogos) ter ideias de se porem assim esbeltas e destapadas, ainda para mais numa disciplina como aquela a que se dedica Isinbaeva (a propósito da modalidade em causa, é favor evitar trocadilhos de mau gosto em que a traiçoeira língua portuguesa é pródiga).

Sobre Diogo Leote

Longe vão os tempos em que me divertia a virar costas a senhoras que não gostavam de Woody Allen. Mas os preconceitos de então ficaram-me. O de preferir as vozes sofridas e os gritos de raiva, ou os sons negros e abafados, ao fogo-de-artifício dos refrões fáceis. O de só admitir happy ends em situações excepcionais, quase sempre em histórias de amor em que ninguém apostaria um cêntimo. O de não procurar encontrar explicação para os desígnios insondáveis da sedução ou para tudo o que não é dito, que é quase tudo, na grande arte. E continuo com esta mania de andar atrás da tristeza. Dizem os psicólogos que isso é um privilégio dos que não a têm no seu código genético. Eu não os desminto. A verdade é que, se não embirrasse tanto com a palavra “feliz”, até a usaria para exprimir o prazer que sinto ao escrever sobre almas abandonadas ou corações destroçados. Ainda bem que escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

13 respostas a Miss Isinbaeva

  1. Panurgo diz:

    É de louvar a altíssima dignidade deste espaço. Nem uma referência à vara, ao comprimento da vara, ao agarrar da vara…

  2. Panurgo diz:

    É de louvar a altíssima dignidade deste espaço. Nem uma referência à vara, ao salto com vara, ao agarrar da vara…

  3. Não fazer trocadilhos? com uma varra daquele tamanho? impossível! Se ao menos o Vara estivesse em circulação, poderíamos falar de robalos, ou seja, de peixe e não de carne.

    Eu espero que estas todas lá estejam:

    http://coedmagazine.com/2012/05/23/60-sexiest-american-athletes-to-look-for-at-the-2012-london-olympics-photos/

  4. Rita V diz:

    A silly season tem destas coisas
    😀

  5. Manuel S. Fonseca diz:

    Diogo, mas quem é que se atreve a saltar por cima dos teus argumentos?

  6. Panurgo: mas que homem se atreve a olhar para a vara quando tem pela frente uma campeã como esta?

  7. Qual silly season, Rita? No verão, dá-me para isto, para ser um grande desportista 🙂

  8. Taxi: pena só estarem americanas. Ao nível da Isinbaeva, só mesmo a croata Blanka Vlasic, do salto à altura, que foi medalha de prata em Pequim. E logo para azar, não vai aos Jogos por estar lesionada.

  9. Manuel, o ouro devia estar à partida garantido para a Elena. Por inerência dos seus atributos.

  10. Que não seja por isso. Aqui estão as inglesas. No site estão os links para as alemãs e as russas, e uma feia: agora sim é que se deve evitar trocadilhos de que, com um saco na cabeça, todas são bonitas:

    http://coedmagazine.com/2012/07/23/55-sexiest-british-olympians-2012-photos/

  11. Diogo, cá para mim, no campeonato de que realmente aqui se fala Lady Natalia Portman née Vodianova terá por muitos e bons anos, espera-se, a medalha de ouro. Mas Miss Isinbaeva é séria candidata à prata- quase-vitalicia, dou-lhe toda a razão. Que pessoas maravilhosas chegam às duzias from russia with love. Mesmo que não tenha produzido mais nada, só por isso o império merecia…pronto, lá estou eu a falar de politica.

    P.S.- (sei que o Diogo não tem culpa e que longe de si pensar sequer…mas veja se consegue por juizo onde algumas pessoas po~em sacos.Então isso é coisa que se diga, por verdade que seja?)

  12. Teresa, andei desblogado alguns dias e só agora dou aqui com a sua adesão ao fenómeno Isinbaeva. Folgo em saber que também é apreciadora das qualidades da Helena!

  13. Obrigado Taxi. Gostei especialmente da ciclista Victoria Pendleton. Se não ganhou nenhuma medalha, foi uma tremenda injustiça.

Os comentários estão fechados.