Olhos na Lua que passa

Há um preconceito contra o filósofo. Que não é prático. Que, olhos na lua que passa no céu, se lhe enfiam os pés no primeiro buraco da rua em que caminha.
Ficando-me pela rama (ó que linda rama) diria que, sem desprimor para a lenda, há filósofos com jeitinho: Espinosa ganhou a vida a polir lentes, Leibniz criou uma máquina de calcular e John Locke estudou medicina, salvando a vida a um amigo a que apareceu infecção de fígado aparentemente fatal.
Numa boa discussão com Karl Popper, Ludwig Wittgenstein provou ser capaz de manejar uma tenaz com convicção!

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

11 respostas a Olhos na Lua que passa

  1. Que delícia de texto. Coisa boa começar o sábado assim.

  2. Manuel S. Fonseca diz:

    Fal, ó que delícia de comentário: assim, deixo a Lua e vou ver lá fora o Sol.

  3. MariaLima diz:

    …e, quando a lua passa, eu vou com ela!<3

  4. É, portanto, a Maria Lima, uma daquelas estrelas que vemos a passear no céu…

  5. Paula Ferreira diz:

    Que bom que évoltar de férias e encontrar o seu texto, parece que as férias não acabaram. Ainda estou na lua!

  6. E que dizer dos filósofos portugueses que ganham dinheiro na política?

  7. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Se não fossem eles a olhar a Lua, esta ficava só para os amantes, que por sinal são menos practicos que os Filósofos….

Os comentários estão fechados.